Arquivo da categoria: Datas Comemorativas

Dia da Saudade

No Brasil, celebra-se o Dia da Saudade no dia 30 de janeiro. Saudade é um sentimento que não tem cor, mas que, por incrível que pareça, pode ter cheiro. Também não se pode ver e nem tocar, mas quem sente sabe que é grande.

A saudade pode ser o sentimento que alimenta um relacionamento amoroso ou apenas o que sobra dele; pode ser uma ausência suave ou um tipo de solidão; uma recordação de um momento ou de uma pessoa. Pode até ser a dor de nunca mais encontrar uma pessoa, ou voltar a um lugar querido.

A saudade é também um registro fiel do passado, uma prova incontestável de tudo que vivemos e ficou impresso na alma. Nutri-la é alimentar o espírito e a própria existência, através de pensamentos, músicas, perfumes, fotografias, lugares, fins de tarde e madrugadas.

Dia do Leitor

Ler é viajar por mundos e histórias diferentes, pois é através da leitura que o homem passou a conhecer lugares onde nunca esteve, remeter-se ao passado histórico ou criado e até mesmo projetar o futuro.

Mas é importante lembrar que não se nasce leitor. O gosto e o aprendizado da leitura é um processo infinito de capacitação que é fomentado pelo simples contato com livros. Com o tempo, a prática da leitura nos ler cada vez mais, e assim buscar livros mais complexos, sejam eles literários ou não, indicando o nosso poder de crescimento na capacidade de interpretação e de abstração.

Através da leitura, o leitor identifica e cria lugares, personagens e histórias, e muitas vezes, até projeta-se no que está lendo. No Brasil, o Dia do Leitor é celebrado no dia 07/01, sendo comemorado com feiras de livros e workshops de leitura por todo o país.

Dia do Salva-Vidas

É no dia 28 de dezembro que se celebra o Dia do Salva-vidas, estes profissionais que arriscam suas vidas no mar ou na piscina para resgatar pessoas em perigo de afogamento. Ou seja, os Salva-vidas ou nadador-salvador, possuem o escopo de evitar afogamentos e assim preservar a vida de quem se vê envolvido em uma situação crítica no mar, em rios ou piscinas.

Em muitas cidades litorâneas, existem salva-vidas de plantão em praias mais frequentadas e/ou perigosas, para que seja feito um pronto atendimento aos banhistas ou para avisar dos riscos provocados por animais como águas-vivas ou tubarões. A vigência do seu serviço pode ser permanente ou restringida à época balnear.

Formação

A formação de um salva-vidas deve ser completa: nadar muito bem, conhecimento das técnicas de respiração e massagem cardíaca,oceanografia, cuidados com o banhista e agilidade nas ações de prevenção e salvamento

Bandeiras de aviso

Geralmente são colocadas bandeiras nos postos ou cadeirões nas praias e clubes que funcionam como indicadoras das condições de banho no dia, funcionando nas cores de um semáforo, sendo também de três cores diferentes:

  • Verde – indica que é seguro nadar
  • Amarela – indica que se pode tomar banho, mas que não se deve nadar
  • Vermelha – indica que se não se deve tomar banho

Há também as bandeiras vermelhas que são postas nas praias com os seguintes dizeres “local perigoso” ou “perigo”, geralmente colocadas na frente das correntes de retorno (rip). Quando há bandeiras como estas, não é permitido a entrada de banhistas nestes locais, pois, é aí que acontecem os afogamentos por imprudência e até mesmo falta de informação dos banhistas que na grande maioria das vezes são visitantes ocasionais ou veranistas.

Além das atividades de salvamento, cabe ao Guarda-Vidas as atividades prevencionistas objetivando evitar acidentes nas praias de mar ou de água doce (rios, lagos e lagoas) e também de piscinas, através de campanhas educativas.

Origem

As primeiras organizações de salva-vidas no mundo são oriundas da França, com a Societé Centrale de Sauvatage de Naufragés, em 1865, e os Hospitaliers Sauvateurs Bretons, em 1873, entidades que, em 1901, foram reconhecidas como de utilidade pública.

Curiosidade

Um dos alicerces da comemoração do Dia do Salva-vidas é a Bíblia, na qual o dia 28 de dezembro é mencionado como dia de proteção do anjo Damabiah, da hierarquia do Arcanjo Gabriel, responsável pelo bem-estar das pessoas que vivem do mar, para o mar e próximas do mar.

Salvador – Bahia (BA) – Calendário da Copa

calendario cidade salvador bahia BA

Foi na Bahia que tudo começou, mais precisamente em Porto Seguro, no sul do Estado, onde hoje é a Baía de Cabrália, que Pedro Álvares Cabral aportou em busca de um “porto seguro” para as naus portuguesas. Foi em Cabrália, que deu-se a celebração da primeira missa que marcou a chegada dos portugueses ao País, em 1500. As primeiras vilas surgiram ali e a primeira capital brasileira foi Salvador, detentora hoje de uma cultura rica e conhecida no mundo todo.

A Baía de Todos os Santos, onde fica a capital Salvador, só foi abordada pelos portugueses em 1501. Ali, Américo Vespúcio se estabeleceu e fez surgir a cidade que viria a ser a mais importante do Brasil durante quase todo o período da colonização. A Bahia se tornou o quartel-general português, de onde se estendia à resistência às diversas tentativas espanholas de tomar as terras da coroa.

Também está em Salvador o maior número de descendentes das diversas nações africanas fora da África. Mais de 80% dos soteropolitanos são afrodescendentes e sua influência se faz sentir hoje em todos os aspectos da vida na cidade, da comida à musicalidade inerente aos baianos.

A cidade de Salvador é uma das 12 sedes da Copa, onde a Arena Fonte Nova, inteiramente remodelada, receberá três partidas da Copa das Confederações e seis jogos do Mundial de 2014.

Fora da capital, a Bahia oferece incontáveis praias ao longo de mais de mil quilômetros de litoral, entrecortado por matas, lagoas e acidentes geográficos que tornam suas paisagens inesquecíveis. O estado oferece roteiros organizados e muito bem estruturados para receber turistas: de resorts luxuosos e de padrão internacional, à pousadas mais simples em vila de pescadores.

No interior, reservas ecológicas atraem aqueles que buscam roteiros de aventura e ecoturismo, como a Chapada Diamantina. Ainda no sertão, cresce o enoturismo no Vale do Rio São Francisco, feito até pouco tempo considerado impossível, uma vez que o clima tropical e seco nunca havia sido adequado para o cultivo de vinhedos. Hoje a região já produz 15% do vinho brasileiro, atrás do Vale dos Vinhedos, no Sul, tradicional produtor.

Estado musical – Bahia

A Bahia é um dos estados mais musicais do Brasil. A mistura entre as etnias negra, branca e indígena resultou numa grande riqueza de ritmos e gêneros, como o axé, o samba de roda, o pagode e a própria música popular brasileira (MPB). Até a carioquíssima bossa nova tem entre seus criadores e nomes mais conhecidos um baiano, João Gilberto, que encantou o mundo com seu jeito suave de cantar.

No fim dos anos 1960 surgiu uma geração de intérpretes e compositores que revolucionariam a MPB. Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Bethania e Gal Costa trouxeram uma nova forma de falar da Bahia e das coisas do País. Em paralelo, Os Novos Baianos, grupo composto por Baby Consuelo, Pepeu Gomes, Moraes Moreira, Dadi, Paulinho Boca de Cantor e outros viveu o auge do movimento hippie, tratando em suas letras de temas como o amor e a liberdade. Na Casa da Música da Bahia, localizada no Parque Abaeté, podem ser encontrados documentos que contam a história da música baiana. O acervo é composto por fotos, livros e instrumentos musicais.

Bahia – Tempero africano

Quando se fala de gastronomia brasileira é impossível não se lembrar de quitutes como o acarajé, abará, caruru, vatapá, a farofa e o mungunzá. São todos pratos de origem africana e eram, originalmente, oferecidos às divindades nos cultos religiosos. Além de escravos, os traficantes que vinham vendê-los no Brasil também traziam para cá pimentas, banana e azeite de dendê. Com o trabalho das africanas nas cozinhas das famílias dos senhores, esses pratos e temperos foram se mesclando a outros de origem portuguesa. Instrumentos como as colheres de pau e as panelas de barro se tornaram comuns. E dessa saborosa combinação nasceu uma mesa cheia de cores, aromas e sabores.

Dados da Cidade de Salvador – Bahia

  • População: 2.676.606 habitantes
  • Área: 693,292 km2 (Salvador)
  • Código de área: 71
  • Tensão elétrica: 110 V

Página oficial da cidade e da Secretaria de Turismo:
SALTUR e Prefeitura

Feriados locais em Salvador

– 2 de julho: Dia da Independência da Bahia
– 8 de dezembro: Dia de Nossa Senhora da Conceição

Centro de atendimento ao turista Salvador

– Saltur: (71) 3176-4200
– Bahiatursa: (71) 3489-9794

Posto para câmbio em Salvador

As casas de câmbio estão disponíveis na cidade, em agências de turismo, no aeroporto e nos shoppings.

A Arena Fonte Nova Salvador

Depois de demolida e reconstruída em padrões modernos, a Fonte Nova foi entregue em abril de 2013. A Fonte Nova está posicionada em um terreno de 116 mil m² e tem uma área construída de 90 mil m². O edifício tem dez níveis e três anéis de arquibancadas (inferior, intermediária e superior). São quatro pavimentos de garagem, outro com vestiários, zona mista e salas para coletivas de imprensa, um nível para circulação geral, um para lounge premium, um para camarotes, além de um patamar para lounge de imprensa e outro para as cabines de TV.

Melhorias nos terminais Salvador

A Matriz de Responsabilidades de Salvador prevê intervenções no aeroporto e no porto da capital baiana. No aeroporto, as obras incluem a ampliação do estacionamento e do pátio de aeronaves, a reforma e adequação do Terminal de Passageiros, além de uma nova torre de controle. O terminal de passageiros ganhará novas esteiras rolantes, elevadores, além de reforma do edifício-garagem. No porto, um novo terminal de passageiros está sendo construído.

Requalificação do entorno da Fonte Nova Salvador

A Matriz de Responsabilidades referente a Salvador prevê duas intervenções de mobilidade urbana no entorno da Arena Fonte Nova. A primeira delas é a articulação do estacionamento da Arena com o sistema viário existente, e intervenções de melhoria no fluxo do tráfego de acesso. A obra inclui dois viadutos e 4,8km de vias. A outra é a requalificação dos caminhos de ligação entre o porto e a Arena Fonte Nova, inclusive estações de metrô.

Metrô em Salvador

Em abril de 2013, foi assinado o Programa de Viabilização do Metrô, que prevê a conclusão e as regras para a administração da Linha 1 do metrô (Lapa a Pirajá) e a implantação da Linha 2 (Paralela a Lauro de Freitas). Também foi assinada a transferência para o Governo da Bahia, da administração da Companhia de Transporte de Salvador (CTS), responsável pelos trens do subúrbio.

A previsão é que o primeiro trecho da Linha 1 seja concluído até a Copa do Mundo de 2014, e o segundo até dezembro do mesmo ano. O governador informou que logo depois da conclusão da Linha 1 do metrô será traçada a Linha 2, que vai ligar a Paralela até Lauro de Freitas.

Entre as atribuições do Governo da Bahia estão finalização da Linha 1, a administração da Estação Pirajá, uma das pontas do metrô, e do sistema metroviário, e a implantação da Linha 2. Já a Prefeitura de Salvador ficará responsável pela administração da Estação da Lapa, outro final de linha do metrô, e administração do sistema de ônibus.

Salvador – A primeira capital

A cidade de Salvador foi a primeira capital do Brasil. Fundada em 1549, desenvolveu primeiramente a produção açucareira. Depois, a localização estratégica possibilitava grandes oportunidades de comércio com a Costa Africana, o Oriente e a Europa, fazendo da cidade importante polo de redistribuição de mercadorias, consolidando o porto de Salvador como o mais importante da colônia.

Após um século de sua criação, Salvador se tornou a segunda cidade do Império português em importância, perdendo somente para Lisboa. Originalmente estava estruturada em dois níveis, cidade alta, concentrando funções administrativas, residenciais e religiosas e cidade baixa, com funções comerciais e portuárias, de acordo com a tradição urbanística portuguesa.

Atualmente Salvador é o terceiro município mais populoso do Brasil e centro econômico do estado, é também porto exportador, centro industrial, administrativo e turístico. O acervo arquitetônico e paisagístico da capital baiana merece destaque pelo seu excepcional valor cultural e pela sua extensão, possui cerca de três mil edifícios construídos nos séculos XVIII, XIX e XX, o que faz com que a cidade concentre mais da metade dos bens tombados individualmente em todo o Estado.

Nesse contexto destacam-se monumentos da arquitetura religiosa, civil e militar e também templos do culto afrodescendente. O Centro Histórico de Salvador, cujo ícone é o bairro do Pelourinho (foto abaixo), foi considerado como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1985.

copa do mundo 2014 salvador bahia

Do ponto de vista cultural, a cidade é marcada pela presença africana, que se reflete na música, dança e na culinária. O Acarajé, que se tornou uma referência para a identidade da Bahia, é atualmente registrado como patrimônio imaterial do Brasil. No centro histórico são muitos os festejos populares, como a festa do Senhor Bom Jesus dos Navegantes e a Lavagem do Bonfim relacionada com o sincretismo religioso entre o candomblé e o catolicismo.

Na dança, destacam-se o Samba de Roda do Recôncavo como Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Bahia, a Roda de Capoeira e o Ofício dos Mestres de Capoeira, uma mistura de dança e luta que tem o reconhecimento da Unesco. Porém, a maior festa popular de Salvador é o carnaval que toma as ruas do Pelourinho e a Praça Castro Alves, sendo um evento internacional.

Dentre as principais atrações na cidade destacam-se os vários locais do conjunto histórico urbanístico e arquitetônico como igrejas e conventos coloniais: Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora do Carmo, Igreja e Convento de São Francisco de Assis, além do Mercado Modelo, do Elevador Lacerda, do Forte Santo Antonio da Barra. Nos arredores de Salvador, encontram-se ainda as cidades históricas de Cachoeira, São Félix, Itaparica, Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, entre outras como Santo Amaro, Candeias, Maragipe e Itaparica.

É possível ter acesso à cidade de Salvador pelas diversas rodovias vindas das várias regiões do país; por via marítima, pelo Porto de Salvador e, acesso aéreo, pelo Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães.

Monumentos selecionados em Salvador

Centro Histórico de Salvador

A cidade de Salvador – à semelhança de Lisboa e do Porto – foi fundada em um sítio que permitia um esquema elementar de defesa, sem impedir seu crescimento linear. A Cidade Baixa – como o Porto – é estreita devida à escassez de espaço entre a colina e o mar. As casas são mais elevadas que na Cidade Alta e, mesmo no século XVIII, se estendiam em fileiras delgadas e estreitas em direção a Itapahipe. Em 1714, desenvolvia-se ao longo da praia, uma rua dominada por sobrados de dois e três andares. Logo depois, surgiram bairros em torno da Sé e da Arruda, seguidos dos bairros de São Bento e Carmo. Em 1985, a UNESCO declarou o centro histórico de Salvador como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Igreja de São Francisco e Ordem Terceira de São Francisco

Em frente à catedral de Salvador, ergue-se a igreja dos frades franciscanos, parcialmente encoberta pelo casario da praça. Erguidos entre os século XVII e XVIII e são consideradas uma das mais singulares e ricas expressões do Barroco brasileiro. A fachada apresenta esculturas e relevos de frutos e folhagens, formando guirlandas. A portada em pedra também é belamente ornamentada. Anexo à igreja, está a Ordem Terceira de São Francisco, de 1703, uma das obras de arte mais surpreendentes do Brasil e única no mundo português. O interior da igreja ainda preserva uma série de azulejos portugueses que retratam Lisboa antes do terremoto de 1755. No Anexo há um pequeno museu com exposição de peças sacras.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia

A monumental igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, na cidade baixa de Salvador, foi iniciada em 1739 e consagrada em 1765, embora só totalmente construída em meados do século XIX. A pedra da construção foi a pedra-de-lioz (ou pedra-do-reino, no Brasil), importada de Lisboa, numeradas uma a uma em Portugal e trazidas para a colônia. Em seu interior, no estilo joanino, o barroco tardio português corrente no reinado de D. João V (1706-1750), destaca-se a pintura do teto que obedece à concepção ilusionista barroca de origem italiana de autoria de José Joaquim da Rocha.

Igreja e Santa Casa de Misericórdia

As primeiras referências às obras do hospital datam de 1650. A Irmandade da Santa Casa da Misericórdia, criada para atender aos enfermos, está presente em Salvador desde a sua fundação, em 1549. O primeiro hospital e capela são edificados, com recursos obtidos pelas doações dos colonos, em terreno doado por Tomé de Souza. Instituição formada pela elite da cidade, logo tem condição de ampliar o edifício, que assume características monumentais. No conjunto arquitetônico, tipicamente conventual, é formado pela igreja e os pátios administrativo e hospitalar. No interior do conjunto há um vasto acervo de pinturas, azulejos, mobiliário, alfaias, entre outros objetos.

Catedral Basílica de Salvador

A atual catedral de Salvador é parte do desaparecido convento e escola dos jesuítas, o maior e mais importante do Brasil colonial. Foi construída entre 1652 e 1672. Por todo o seu acervo artístico e sua monumentalidade, é considerada, por vários especialistas, como a mais importante construção sacra do Brasil colonial. A fachada e o interior são em mármore de Lioz, trazido de Portugal já cortado e esculpido. A sacristia tem piso e altares em mármores coloridos, telas de diversos autores seiscentistas, móveis em jacarandá, com encartes em madrepérola e objetos sacros em ouro e prata. Com a saída dos Jesuítas do Brasil a igreja foi abandonada. O convento foi aproveitado como hospital militar, e em 1808, como Escola de Medicina, a primeira do Brasil.

Paço Arquiepiscopal

Localizado na Praça da Sé, foi construído no século XVIII, em torno de um pátio. O prédio possui subsolo e três pavimentos sobre a rua. Considerado um dos melhores exemplos de arquitetura civil do período colonial no país, localiza-se na zona histórica do Pelourinho. O prédio de três pavimentos e quatro corpos de construção foi erguido em torno de um pátio interno. A entrada é marcada por um portal de pedra de lioz portuguesa decorado com um brasão de D. Sebastião Monteiro da Vide, arcebispo de Salvador na época. As janelas dos dois primeiros pisos são de peitoril e o pavimento nobre tem janelas com balcões e grades de ferro. Antigamente havia uma passarela suspensa que ligava o palácio à antiga Sé, demolida em 1933.

Paço do Saldanha

Em 1699 o Coronel Antônio da Silva Pimentel adquiriu e derrubou algumas casas de propriedade da Ordem Terceira do Carmo para a construção do solar.É um dos mais notáveis palácios construídos no Brasil colonial, com destaque para sua portada em pedra lavrada e uma bela varanda, conhecida como Mirante do Saldanha. Na década de 1960, um incêndio destruiu o interior do prédio e danificou o exterior, inclusive a porta monumental. Depois de um longo período de abandono, foi restaurado e hoje abriga o Liceu de Artes e Ofícios da Bahia.

Paço Municipal (Antiga Casa de Câmara e Cadeia)

Construído entre os séculos XVII e XVIII, o Paço Municipal serve de fundo à mais antiga praça de Salvador, fundada por Tomé de Souza, em 1949, no alto da colina em frente ao porto. Com sua torre sineira, o edifício serviu de modelo a outras construções da administração, como as de Santo Amaro e Maragojipe. Originalmente, no primeiro andar ficava a sala de deliberações do Conselho, sala de audiência dos magistrados, órgãos civis e criminais e sala de leilões públicos. No andar térreo, ficavam duas prisões, sendo a masculina no lado sul e a feminina no norte. O pátio abrigava uma capela dedicada a Santo Antônio, utilizada pelos prisioneiros entre 1690 e 1795.

Solar Amado Bahia

Construído no final do século XIX, em alvenaria de tijolo, o solar tem acesso lateral e está totalmente envolvido por varandas de ferro fundido. Apresenta três pavimentos e ainda conserva a capela com entalhes dourados no primeiro andar. Seu acabamento foi totalmente realizado com material importado. O grande salão apresenta paredes revestidas de espelhos franceses, piso de parquet e teto em estuque com sancas molduradas. Os quartos e ou outros salões têm assoalhos de pinho de riga. Tetos e paredes exibem pinturas atribuídas a Badaró (o pai).

Casa da Quinta do Unhão

O conjunto arquitetônico é formado pelo solar, capela de Nossa Senhora da Conceição, cais de desembarque, fonte, aqueduto, chafariz, armazéns e um alambique com tanques. Na ponte de acesso ao solar existem barras de azulejos de ornamentação barroca, produzidos em Lisboa nos anos de 1770 a 1780. O chafariz, originalmente alimentado pelo aqueduto, é uma peça barroca em arenito escuro, formado por uma carranca de onde jorra a água, e duas conchas superpostas. O interior do solar foi descaracterizado com sua transformação em fábrica de rapé e trapiche.

Casa dos Sete Candeeiros

A denominação da casa dos é devido aos sete lampiões de azeite nela pendurados durante a estadia da corte de D. João VI, em 1808. Esta casa pertenceu aos Jesuítas até a sua expulsão do país, sendo em seguida leiloada. Construída no século XVII, a casa de dois pavimentos e sótão possui portada de verga reta, com brasão em lioz, da família Fonseca Galvão. O pavimento nobre tem salões amplos e capela com urupema, que escondia as moças dos estranhos durante a missa. Os tetos e portas apresentam guarnições de madeira lavrada. A casa, de forma retangular, tem cobertura de quatro águas e se articula com pátio externo elevado e murado. A construção é de alvenaria de pedra e cal, com divisórias do tipo parede francesa.

Fortaleza de São Marcelo ou Forte do Mar

O Forte de São Marcelo está situado na Baía de Todos os Santos e foi construído sobre uma coroa de areia que havia na Baía. A edificação ocorreu em 1623 durante o Governo-Geral de D. Diogo de Mendonça Furtado. Sobre o portal de entrada existe escudo de armas do Império, mutilado após a Proclamação da República, em 1889, onde a coroa monárquica foi substituída por uma estrela de cinco pontas. No dia 29 de março de 2006, o monumento foi aberto à visitação pública, após ter sido transformado no Centro Cultural Forte de São Marcelo, um espaço que abriga um rico patrimônio cultural.

Forte de Santa Maria

O Forte de Santa Maria fica na praia do Porto da Barra, no bairro da Barra, primitivo porto da cidade de Salvador. Constituiu um comando unificado, entre 1624 e 1694, juntamente com o Forte de Santo Antônio da Barra e o Forte de São Diogo, com os quais cruzava fogos na defesa contra a primeira das Invasões holandesas do Brasil. A fachada sul da casa de comando é revestida de telhas, tratamento impermeabilizante encontrado em empenas de sobrados baianos de todo o período colonial. Sobre a porta de entrada há escudo com armas do império. A edificação é em alvenaria de pedra e cal.

Mercado Modelo

Erguido em 1861 para funcionar como Casa da Alfândega, o edifício passou a abrigar o Mercado Modelo a partir de 1971 e mantém a arquitetura neoclássica original mesmo depois de ter sofrido dois incêndios (1969 e 1984). O Mercado Modelo fica no bairro do Comércio, antigo centro comercial de Salvador, em frente ao Elevador Lacerda. Abriga 273 lojas que oferecem a maior variedade de artesanato, presentes e lembranças da Bahia, contando com tradicionais restaurantes de culinária baiana. Além da feira do artesanato e restaurantes de comidas típicas baianas, tem como atrativo as rodas de capoeira que movimentam a parte de trás da construção.

Elevador Lacerda

Localiza-se na Praça Visconde Cayru, no Bairro do Comércio. Foi construído pelo engenheiro Augusto Frederico de Lacerda, utilizando peças de aço importadas da Inglaterra. As obras foram iniciadas em 1869 e, após sua inauguração, passou a ser o principal meio de transporte entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa. Inicialmente operando com duas cabines, atualmente funciona com quatro modernas cabines eletrificadas que comportam 20 passageiros cada. Ao longo de sua história passou por quatro grandes reformas e revisões sendo que na segunda, em 1930, foram adicionados mais dois elevadores e uma nova torre que conferiu a atual arquitetura em estilo art déco.

Igreja da Ordem Terceira do Carmo e Casa da Ordem

A Igreja da Ordem Terceira do Carmo de Salvador, erguida em 1636, fica ao lado da igreja da ordem primeira, na ladeira do Carmo, centro histórico de Salvador. Trata-se de um conjunto arquitetônico formado por igreja e convento. O edifício atual se desenvolve em torno de dois pátios que compreendem, além da igreja, sacristia, casa de mesa, casa dos santos, ossuário e galerias. Na Igreja se encontra a imagem de cedro do Senhor morto esculpida em 1730 pelo escravo Francisco das Chagas, considerado o Aleijadinho baiano.


Igreja e Casa de Oração da Ordem Terceira do Carmo – Cachoeira

O Conjunto do Carmo se constitui pela Igreja da Ordem Primeira e pela Capela e Casa de Oração da Ordem Terceira, fica na Praça da Aclamação. A Ordem Terceira foi instituída em 1691, funcionando inicialmente em uma das capelas da Igreja do Carmo. Só em 1702 os Irmãos Terceiros começam a construção da sua igreja em terreno doado pelo Gal. João Rodrigues Adorno. A casa de oração é elemento de ligação entre a Igreja da Ordem Terceira e a Igreja do Carmo e caracteriza-se, arquitetonicamente, pelo frontispício com galeria superpostas ambas formadas por arcos abatidos e sustentados por colunas toscanas de seção octogonal.

Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo – Cachoeira

O Conjunto do Carmo, construído no século XVIII, é composto pelo Convento, a Ordem Primeira e a Igreja da Ordem Terceira. O complexo, junto com a Casa de Câmara e Cadeia, compõe o espaço urbano mais importante da cidade de Cachoeira. A construção da igreja e do Convento do Carmo teve início em 1688, seguindo os ditames da contra-reforma: as igrejas deveriam ter uma única nave para que todos pudessem ver o altar-mor e a celebração da missa. A iluminação vem das janelas do coro. No espaço central da capela-mor está a imagem de Nossa Senhora do Monte do Carmo, ladeada por dois santos carmelitas: Elias e Eliseu. Atualmente na igreja também existe um Museu de Arte Sacra.

Paço Municipal – Cachoeira

Construído para ser Casa de Câmara e Cadeia, tem elementos característicos desta tipologia no recôncavo. O edifício na Praça da Aclamação possui planta retangular que se articula com a praça através de escadaria de pedra, em forma de tronco de pirâmide. No térreo localizam-se as celas da cadeia e um pórtico, de onde nasce a escada de acesso ao sobrado. No primeiro pavimento além das instalações da Câmara existem duas salas que serviam como cadeia a presos ilustres. O sobrado é forrado e conserva no seu interior telas dos artistas José Couto e Antônio Parreiras.

Casa natal de Ana Néri – Cachoeira

Nesta casa nasceu Ana Justina Ferreira Nery, pioneira da enfermagem no Brasil, que participou da Guerra do Paraguai. Hoje a casa abriga o Museu Hansem Bahia. Sobrado desenvolvido em dois pavimentos mais sótão. Sua estrutura é constituída de alvenaria mista de pedra e tijolo e pilares internos do mesmo material, que suportam o assoalho superior. Apresenta divisórias internas de pau-a-pique com esteios de madeira de sustentação do trabalho. Este sobrado possui como característica a utilização do pavimento térreo como residência, fato raro para a época da sua construção.

Patrimônio

As baianas de acarajé (foto) são importantes personagens da cultura brasileira, mas é em Salvador, capital do Estado da Bahia, que elas dominam o cenário formado por espaços arquitetônicos, monumentos, ruas e praças.

Para conhecer melhor a história das baianas – além de provar um delicioso acarajé, preparado na hora – os visitantes são recebidos no Memorial da Baiana de Acarajé
Rua Belvedere, Praça da Sé, Centro Histórico, Tel.: 71. 3488.0622.

Neste universo da cultura afrodescendente, a roda de capoeira e seus mestres mostram o canto, o toque dos instrumentos, a dança, os golpes, o jogo, a brincadeira, os símbolos e rituais de herança africana, recriados no Brasil.

Outra manifestação cultural baiana é o samba de roda, dançado pelos sambadores e sambadeiras. A Casa do Samba de Roda funciona no Solar Subaé, em Santo Amaro
Rua do Imperador, Nº 1, Tels.: 75. 9134.9127 e 9147.8507.
Santo Amaro está localizada a, aproximadamente, 75 km de Salvador.

Fontes: Ministério da Cultura, Ministério do Turismo, Portal do Iphan e Portal da Copa

Dia do Órfão

O dia 24 de dezembro, também mundialmente conhecido como a véspera de Natal, é também dedicado aos órfãos. Nessa data, comumente comemorada em clima de confraternização familiar, crianças órfãs aguardam a chegada de uma surpresa, de um presente ou de uma visita, com um sentimento muito especial.

Órfão ou Orfandade é a condição social de uma criança cujo pai e/ou mãe faleceram ou a abandonaram. No uso comum, apenas uma criança que perdeu ambos os pais ou apenas a mãe ou pai é chamada órfã.

O orfanato é o estabelecimento de assistência social no qual menores órfãos são recolhidos e recebem cuidados pessoais, médicos e educacionais. Pode ser administrado tanto pela administração pública ou privada. São considerados como entidades sem fins lucrativos, não pagam impostos, sendo que no Brasil, a doação de bens e materiais de consumo por iniciativa pessoal dão o direito de abater no Imposto sobre a renda.

Todos podem contribuir para que o Natal destas crianças seja menos triste e solitário. Faça uma visita a um orfanato e leve brinquedos, roupas, donativos ou simplesmente um abraço, uma alegria ou uma palavra de esperança.

Início do Verão

No Brasil, o dia 21 de dezembro marca o inicio do Verão, a estação com as temperaturas mais quentes do ano, dias de muito calor e bem mais longos. Nesse período, os índices de precipitação é maior e a Terra recebe mais chuva por causa da vaporização das águas, por isso há mais tempestades e chuvas torrencias durante os verões no país.

O verão é a estação mais alegre de todas as estações, pois é durante esta estação que as pessoas costumam tirar suas férias e viajar. As praias, os clubes ficam lotados, todos ficam mais felizes e coloridos e aproveitam para praticar esportes ou se divertir nas ruas.

O verão costuma ir de 21 de dezembro a 21 de março, e a medida que vai terminando as temperaturas começam a descer novamente. Mas o calor mesmo só começa mesmo a diminuir lá por meados de abril ou maio, quando o Outono já se faz presente. Mesmo assim, há dias em que as temperaturas voltam a subir, fazendo com que todos pensem que ianda é verão.

Cidade Curitiba (PR) – Calendário da Copa

calendario cidade curitiba pr

Inovadora por natureza

Curitiba ostenta um dos maiores índices de qualidade de vida do Brasil e o cuidado com o meio ambiente a tornou modelo no Brasil e no mundo. A sustentabilidade surgiu com a fundação da cidade: seus primeiros habitantes seguiam regras rigorosas, só cortavam árvores em áreas delimitadas e mantinham o rio limpo.

Curitiba significa “grande quantidade de pinheiros” em guarani, referência à grande quantidade de araucárias na cidade. Há mais de 26 parques e bosques na capital paranaense.

Curitiba é conhecida no Brasil e no exterior pelo eficiente e inovador sistema de transporte coletivo. O primeiro passo nessa direção ocorreu na década de 80, quando os usuários podiam trocar de linha sem pagar nova passagem, a chamada Rede Urbana de Transportes.

Dez anos depois, outras novidades foram incorporadas, como o primeiro ônibus biarticulado brasileiro, com 25 metros de comprimento e capacidade para transportar 270 passageiros; a criação das estações-tubo, utilizadas como pequenos terminais e que viraram cartão-postal da cidade; e um sistema de aviso de paradas, que a cada saída de uma estação-tubo é automaticamente acionado para informar aos passageiros o ponto seguinte e quais portas deverão ser utilizadas para o desembarque.

Mais recentemente, em 2011, foi implantado o Ligeirão, o maior ônibus do mundo, com 28 metros e capacidade para 250 passageiros. Quem visita a cidade repara na variedade de cores dos ônibus, que são usadas para diferenciar as linhas de transporte. Aliás, uma das linhas é dedicada ao turista, de cor verde-claro, criada para transportar os visitantes aos pontos turísticos da cidade.

Cultura e culinária em Curitiba

Curitiba pertence ao estado do Paraná, que tem uma moderna economia, é o principal produtor agrícola brasileiro e o quarto maior centro industrial do país. O estado reúne uma cultura bastante diversificada, que engloba portugueses, italianos, ucranianos, alemães, poloneses, holandeses, árabes e japoneses. São imigrantes que se instalaram no estado em diferentes períodos em busca de trabalho, terras férteis e do clima ameno da região (que tornava mais fácil a adaptação ao Brasil).

A culinária é marcada por influências indígenas e europeias. Dos índios foi herdado, principalmente, o consumo do pinhão, servido de diversas formas: bolo, bom-bocado, croquetes, paçoca, panquecas, picadinho, pudim, sopa e até suflê.

Em cada parte do estado é possível saborear uma iguaria típica. No litoral, há o barreado, que chegou ao Paraná por meio da colonização portuguesa. O prato consiste em uma carne cozida em caldo grosso servida com arroz e farinha de mandioca, cuja preparação ainda é feita como no passado: de forma lenta e cozida em panelas de barro.

copa do mundo 2014 curitiba

Em Pontal do Paraná há o cambira, prato à base de peixe e banana. Na cidade de Guaíra, um prato típico da culinária espanhola é o pintado na telha. O estado também conta com festas gastronômicas, eventos em que a culinária se mistura às manifestações artísticas. A Festa Nacional do Charque, na cidade de Candói, serve pratos à base de charque, um tipo de carne seca. A Festa Nacional do Porco no Rolete, que ocorre em Toledo, conta com receitas diversas em que a principal atração é o suíno assado por inteiro. Na Festa do Cupim Assado, em Pato Bragado, várias equipes concorrem pelo melhor preparo do alimento.

Dados da Cidade de Curitiba

  • População: 1.751.907 habitantes
  • Altitude: 945 m
  • Área: 435.495 km2
  • Código de área: 41
  • Tensão elétrica: 127 V
  • Clima: subtropical.
  • Temperatura: média de 21ºC no verão e 13º no inverno
  • Vegetação: Mata Atlântica

Feriados locais em Curitiba
– 8 de setembro (Dia de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais)

Página oficial da cidade e da Secretaria de Turismo:
www.curitiba.pr.gov.br e www.turismo.curitiba.pr.gov.br

Centro de atendimento ao turista
– Disque Turismo: (41) 3352-8000 (atendimento 24h)

Postos de informação turística em Curitiba

ACISF: Santa Felicidade (Casa dos Contos)
2ª a 6ª, das 9h às 18h; sábado, das 14h às 20h; domingo, das 11h às 17h
Av. Manoel Ribas, 5.480
(41) 3273-4605

Aeroporto Internacional Afonso Pena:

Diariamente, das 7h às 23h
Av. Rocha Pombo, s/n, São José dos Pinhais
Salão de desembarque localizado no piso térreo
(41) 3381-1153

Arena do Clube Atlético Paranaense

Diariamente, das 9h às 17h
R. Buenos Aires, 1.260, Água Verde
(41) 2105-5616

Casa do Artesanato

2ª a 6ª, das 9h às 18h; sábado, das 9h às 15h
R. Mateus Leme, 22, São Francisco
(41) 3321-2704

Instituto Municipal de Turismo

2ª a 6ª, das 8h às 12h e das 14h às 18h
R. da Glória, 362, Centro Cívico, piso térreo
(41) 3250-7729

Rodoferroviária de Curitiba

Diariamente, das 8h às 18h
Av. Pres. Affonso Camargo, 330, Jd. Botânico
(41) 3320-3121

Rua 24 Horas (Espaço Curitiba Experience)

Diariamente, das 9h às 18h
Sala de Pedra (Palacete Wolf): 2ª a sábado, das 9h às 18h; domingo, das 9h às 16h
Pça. Garibaldi, 7, São Francisco
(41) 3321-3206

Torre Panorâmica

Terça a domingo e feriados, das 10h às 19h
R. Prof. Lycio Grein de Castro Vellozzo, 191, Mercês
(41) 3339-7613

Postos para câmbio

Em agências bancárias, shopping centers, no Aeroporto Internacional Afonso Pena e no centro da cidade

A nova casa do Furacão

Curitiba receberá quatro partidas da Copa do Mundo da FIFA, todas válidas pela primeira fase. O estádio terá capacidade para 43 mil espectadores, com investimento de R$ 234 milhões, sendo R$ 131 milhões via financiamento federal. A previsão de conclusão das obras é dezembro de 2013.

As obras de reforma da Arena da Baixada, em Curitiba, chegaram a 78,90% de conclusão no final do mês de agosto. Já foram feitos os ajustes finais na viga principal da estrutura metálica da cobertura, além do início da instalação da segunda viga, no Setor Brasílio Itiberê, e das vigas secundárias. Diversos trabalhos de acabamentos internos também avançam.

A Arena da Baixada passou por demolições em vários setores para ampliar o estádio e adaptá-lo às normas da FIFA. Camarotes, cabines de imprensa, escadas de acesso, bilheterias, fosso, lojas internas, vestiários, academia e churrascaria foram alguns dos espaços que sofreram mudanças.

Também foi removida a estrutura de concreto no último nível dos degraus das curvas do setor Getúlio Vargas para a construção das esquinas e complementação dos degraus para a uniformização das arquibancadas. As torres foram retiradas para eliminação de todos os pontos cegos do estádio.

A Arena da Baixada recebe também a construção de duas novas escadas no Setor Madre Maria, que ligará a arquibancada inferior a arquibancada superior (nos mesmos moldes das já existentes). Também estão em execução os serviços de alvenaria interna. O trabalho está sendo feito na arquibancada inferior.

Portal da Copa – Curitiba

O Aeroporto Afonso Pena passa por uma reforma que inclui a ampliação do terminal de passageiros e do sistema viário, a expansão do pátio e a restauração da pista de pouso e decolagem, com investimento total de R$ 85 milhões.

Ao fim das obras voltadas para a Copa, a estimativa é de que o terminal tenha a capacidade de passageiros anual aumentada de 7,8 milhões para 10,4 milhões. Um trecho da reforma continuará mesmo depois do Mundial e a capacidade final do terminal chegará a 14,6 milhões de passageiros ao ano.

A obra de ampliação do pátio está em fase final. Quando concluído, o setor passará de uma área de 84 mil m² para 144 mil m², criando nove novas posições de estacionamento para aeronaves. A restauração da pista de pouso e decolagem já foi concluída.

Portal da Copa

Oito intervenções

O Balanço das obras da Copa do Mundo da FIFA de dezembro de 2012 indica oito obras de mobilidade urbana previstas para a capital paranaense, com R$ 457 milhões de investimento estimado. São corredores de ônibus, um Bus Rapit Transit (BRT), melhorias em vias de acesso, uma central de monitoramento de tráfego e aprimoramentos no terminal urbano.

Uma das obras é a ligação entre o aeroporto e a rodoferroviária. São 14,8 km e 2 obras de arte especiais. O sistema integrado de monitoramento permitirá o controle do fluxo de tráfego nas principais vias da cidade. Com esse recurso, é possível antecipar problemas, evitar congestionamentos e garantir atendimento a ocorrências com agilidade. A requalificação da rodoferroviária inclui melhorias nos acessos, da edificação e nas vias de acesso ao terminal.

Diversidade de estilos

Capital do Estado do Paraná, localizada na região sul do país e fundada em março de 1693, Curitiba possui uma diversidade de estilos arquitetônicos antigos e modernos que enriquecem sua paisagem urbana e representam um expressivo patrimônio cultural. A formação histórica e demográfica da cidade caracteriza-se pela presença de descendentes de imigrantes de diversas origens, que se somaram a matriz étnica brasileira composta pelos índios, africanos e portugueses.

Os modos de ser e de fazer, festas cívicas e religiosas de diversas etnias, dança, música, culinária, expressões e a memória dos antepassados se incorporaram à cidade e estão representadas nos diversos memoriais da imigração, em espaços públicos como parques e bosques municipais. Prédios em arquitetura eclética, neoclássica, colonial, bizantina, oriental e estilos inspirados nas terras natais dos imigrantes confirmam a diversidade e riqueza cultural de Curitiba.

No Centro Histórico da cidade encontram-se importantes construções, como a Igreja da Ordem, o Museu Paranaense, a Igreja do Rosário, a Catedral Metropolitana a Casa Romário Martins, a Igreja Presbiteriana, as Ruínas de São Francisco, a Sociedade Garibaldi, o Memorial da Cidade de Curitiba, o Museu de Arte Sacra, além do Relógio das Flores e a Fonte da Memória. O local é tradicional ponto de encontro da população, pois, além da feira dominical que ocorre desde 1973, abriga vários bares, pubs e restaurantes, alguns com comida típica dos imigrantes que ajudaram a colonizar o município.

O acesso aéreo a Curitiba é servido principalmente pelo Aeroporto Internacional Afonso Pena, localizado na contígua cidade de São José dos Pinhais. Este é o principal terminal aeroviário internacional da região Sul do Brasil. O aeroporto fica a aproximadamente dezessete quilômetros do Centro de Curitiba.

Monumentos selecionados

Paço Municipal

Tombado em 1984, foi construído entre 1914 e 1916. Sediou a Prefeitura Municipal de Curitiba até 1969. Apresenta uma arquitetura eclética, com detalhes neoclássicos e elementos art nouveau, como a marquise de ferro voltada para a Praça Tiradentes, as esquadrias de madeira e o portão da entrada principal. Em sua torre, repleta de ornamentações, encontram-se sacadas semicirculares e três relógios. O monumento é tombado pelas instâncias estadual e federal. Recentemente foi revitalizado para ocupação de um centro cultural mantido pelo SESC/PR.

Coleção etnológica, arqueológica, histórica e artística do Museu Paranaense
Inaugurado em 1876, no Largo da Fonte (atual Praça Zacarias), o museu era inicialmente uma instituição particular, transformada em órgão público seis anos mais tarde. Desde então, passou a constituir-se como centro de pesquisa, promovendo várias expedições científicas pelo estado. Atualmente, desenvolve estudos nas áreas da Arqueologia, Antropologia e História. Conta com um acervo de aproximadamente 400 mil itens, entre documentos, fotografias, filmes e discos, pinturas em diversas técnicas e esculturas, além de grande acervo arqueológico e etnográfico. Entre 1979 e 2005 recebeu os acervos do naturalista tcheco, Vladimir Kozák, bem como o do extinto Banco do Estado do Paraná e a coleção do extinto Museu Coronel David Carneiro. A Coleção etnológica, arqueológica, histórica e artística do Museu foi tombada pelo IPHAN em 1941.

Museu Coronel David Carneiro: coleção etnográfica, arqueológica, histórica e artística
O acervo é composto por coleção numismática (nacional e estrangeira), etnográfica (adornos, vestimentas e instrumentos musicais) e mineralógica (desenhos, aquarelas e retratos a óleo) foi tombado pelo IPHAN em 1941. O destaque é a coleção de material bélico e uniformes militares utilizados pelo Exército Brasileiro em diversas épocas, incluindo os que foram usados no Cerco da Lapa pelas tropas federalistas. Há também um rico acervo de objetos de uso cotidiano e mobiliário da sociedade paranaense do séc. XIX.

Casa de Araucária

As famosas e gigantescas araucárias, típicas da região sul do Brasil, foram a inspiração para os imigrantes da Europa e da Ásia que chegaram ao país a partir do século XIX construírem suas casas, especialmente no Paraná. Foram tantas as construções com a madeira que passaram a ter um nome próprio: Casa de Araucária. A arquitetura de madeira ainda é muito presente nas paisagens urbanas e rurais do Brasil. Sua produção mais significativa foi na região de Curitiba em função das primeiras serrarias a vapor que se utilizam da floresta de araucária, com matéria prima abundante e de qualidade. O estilo dessas casas é singular e reflete a cultura dos grandes contingentes de imigrantes que chegaram ao Brasil nos finais do século XIX. A Superintendência do IPHAN em Curitiba está instalada em uma dessas casas, construída por volta de 1920, numa chácara situada no bairro do Portão. A casa desmontada e trasladada para o endereço atual, no bairro Juvevê, o que possibilitou sua preservação.

Ópera de Arame

Um dos principais cartões postais de Curitiba foi inaugurado em 1992, no Parque das Pedreiras. Foi construída em estrutura tubular e teto de policarbonato transparente, um projeto do arquiteto Domingos Bongestabs, professor do departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPR. Em torno da edificação há um lago artificial e uma passarela sobre as águas dá acesso ao auditório, com capacidade para 2,4 mil espectadores e um palco de 400 metros quadrados. No local onde funcionava uma pedreira hoje os visitantes podem apreciar a mata nativa e várias espécies de aves.

Jardim Botânico

Com uma área de 245 metros quadrados, os jardins geométricos e a estufa de três abóbadas são marca registrada do Jardim Botânico e um dos principais cartões postais de Curitiba. A estufa, que abriga plantas características da Mata Atlântica do Brasil, é construída em estrutura metálica, estilo art-noveau, e foi inspirada em um palácio de cristal que existiu em Londres, no século XIX. Em volta da estufa está o espaço cultural Frans Krajcberg com exposição permanente de 114 esculturas do artista e ambientalista. O Jardim Botânico conta ainda com o Museu Botânico Municipal, trilhas em bosque de araucárias, lago, quadras esportivas e um velódromo.

Praça Tiradentes

A Praça é o berço histórico de Curitiba, que nasceu formalmente neste local. Conta a lenda que a área foi escolhida pelo cacique Tindiquera, da tribo Tingui, para a transferência dos primeiros habitantes da região, que viviam acampados às margens do rio Atuba, atual Bairro Alto. Em 1889, passou a chamar-se Largo Dom Pedro II, em função da passagem do imperador pela cidade. O nome Praça Tiradentes veio com a República, em 1889. Na Praça está o monolito histórico, com a Cruz de Cristo, que simboliza o poder legalmente constituído pelo rei de Portugal, em 29 de março de 1693. Também está no local o Marco Zero da cidade.

Catedral Metropolitana

A Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz, na Praça Tiradentes, é um dos mais importantes patrimônios culturais da cidade. Em estilo neogótico, foi construída entre 1876 e 1893, um projeto do arquiteto francês Alphone de Plas. Foi erguida no local da antiga matriz do século XVII e ainda é dedicada à Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, Padroeira de Curitiba. Site: www.cultura-arte.com/curitiba/catedral.htm

Igreja Rosário dos Pretos

Localizada no Centro Histórico, a atual Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito é uma construção de 1946, em estilo barroco, construída no mesmo local da antiga, demolida em 1931. A primeira igreja do Rosário foi construída por escravos e para os escravos, inaugurada em 1737, em estilo colonial. Era a terceira igreja de Curitiba, com o nome original de Igreja de Nossa Senhora dos Pretos de São Benedito. Serviu de matriz de 1875 a 1893, durante a construção da Catedral, na Praça Tiradentes. A fachada atual ainda tem azulejos da igreja original e seu interior abriga azulejos portugueses, com os Passos da Paixão de Cristo.

Igreja da Ordem

A Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas foi construída pelos portugueses em 1737, com o nome de Igreja de Nossa Senhora do Terço. É a mais antiga de Curitiba. O nome atual foi dado com a chegada a Ordem de São Francisco em Curitiba, em 1746. Depois de abrigar um convento franciscano, no século XIX foi a paróquia dos imigrantes poloneses. Por volta de 1834, uma parte da igreja desmoronou e só foi restaurada em 1880, com a visita do imperador D. Pedro II. Tombada desde 1965, o templo sofreu nova restauração de 1978 a 1980 Em 1981, passou a abrigar o Museu de Arte Sacra. Em 1993, durante uma reforma, foi encontrado um opúsculo entre as paredes com dados preciosos sobre a história da igreja.

Largo da Ordem

É o coração do Centro Histórico, em frente à Igreja da Ordem. Foi área de intenso comércio a partir do século XVIII até boa parte do século XX. Em 1917 recebeu o nome oficial de Largo Coronel Enéas. O largo também abriga outros patrimônios históricos da cidade, como: a Casa Romário Martins (considerada a mais antiga de Curitiba), a Casa Vermelha (espaço cultural), o Museu de Arte Sacra (anexo à Igreja da Ordem) e o Bebedouro, onde os tropeiros e fazendeiros davam de beber a cavalos e mulas, em meados do século XVIII.

Museu Oscar Niemeyer

Inaugurado em novembro de 2002 com o nome de Novo Museu e projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, mas é conhecido como Museu do Olho, em função de suas linhas. É um dos maiores complexos de exposição do Brasil, com cerca de 16 mil metros quadrados destinados a obras de arte. Possui vários ambientes, incluindo um auditório para 400 lugares, café e espaços de lazer.

Memorial Ucraniano

Localizado no Parque Tingüi, o Memorial Ucraniano presta homenagem aos imigrantes ucranianos de Curitiba e foi inaugurado em 1995, ano do centenário da chegada desses imigrantes a Curitiba. O conjunto é composto, por uma réplica da igreja de São Miguel Arcanjo, uma casa típica, palco ao ar livre e o portal. Todas as construções feitas com madeira encaixada, ao estilo ucraniano.

Passeio Público

É o primeiro e o mais central parque da cidade. Inaugurado em 1886 com 70 mil metros quadrados de mata natural, nas margens do rio Belém. Foi, também, o primeiro zoológico e, até hoje, possui alguns animais em cativeiro e um aquário. O Passeio Público é considerado um santuário ecológico no centro de Curitiba, com lago e ilhas, uma gruta, ponte pênsil e palco flutuante.

Ruinas de São Francisco

Localizada na Praça João Cândido, no bairro São Francisco, as ruínas são os remanescentes de uma construção do que seria que viria a ser a Igreja de São Francisco de Paula. Iniciada pelos portugueses, em 1811, a capela-mor e a sacristia ficaram prontas, mas, em 1860, as pedras que finalizariam as obras da igreja teriam sido usadas para erguer a torre da antiga Matriz. Há histórias – não confirmadas – de que há túneis ligando as ruínas a outros pontos da cidade.

Museu do Parque Histórico do Mate

Tombado pelo IPHAN em 1985, o parque da cidade de Campo Largo (PR) ocupa 31,7 hectares de extensa área verde com floresta nativa, lago e área de lazer. Na edificação principal, construída em pau-a-pique sobre alvenaria de pedra, está instalado o museu – resultado da restauração de um antigo Engenho de Mate da segunda metade do século XIX. É o último remanescente dos inúmeros engenhos de soque de erva marte, movidos à força hidráulica, no Paraná. No museu estão expostos objetos que descrevem o processo de produção e transporte da erva-mate e a importância do Ciclo do Mate para a conformação do estado. O Parque Histórico do Mate é uma unidade vinculada ao Museu Paranaense e à Secretaria de Estado da Cultura.

Centro Histórico da Lapa

Tombado em 1992 a cidade de Lapa (PR) nasceu dos acampamentos tropeiros. Foi cenário de batalhas significativas, como a Guerra do Contestado e o episódio conhecido como o Cerco da Lapa, que refere-se aos 26 dias de luta e resistência do exército florianista comandado pelo General Gomes Carneiro contra as forças federalistas do Rio Grande Sul, em 1894. O conjunto urbano tombado apresenta imóveis de várias correntes arquitetônicas, como a luso-brasileira, a arquitetura do imigrante e edificações ecléticas.

Centro Histórico de Paranaguá

Paranaguá é uma cidade portuária e foi o primeiro núcleo urbano a se formar no estado do Paraná. O Centro Histórico, tombado pleo IPHAN em 2009, apresenta importantes exemplares da arquitetura colonial brasileira, como as construções da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas e o Colégio dos Jesuítas. Destaque também para o conjunto de sobrados da Rua da Praia, típicas moradias de quem detinha o poder econômico no final do século XVI. Outras influências estéticas, como o neoclassicismo, foram absorvidas e podem ser observadas no prédio da Câmara Municipal e no Palacete Visconde de Nácar.

Centro Histórico de Antonina

Determinante para a ocupação do território, o ambiente natural formado pela Serra do Mar e pela Baía de Paranaguá integra-se harmoniosamente à paisagem urbana de Antonina (PR) – qualidade rara, que revela grande potencial para o desenvolvimento social da cidade. Sua importância histórica está vinculada ao chamado primeiro ciclo do ouro no Brasil, anterior à exploração nas Minas Gerais. O Centro Histórico de Antonina apresenta edifícios com características do colonial brasileiro, eclética e art-deco. Por seus valores históricos e paisagísticos, foi tombado pelo IPHAN em 2012. Inclui-se na área protegida, um raro exemplar da arquitetura industrial do início do século XX, conhecido como Complexo Matarazzo, que representa a fase áurea da industrialização e atividade portuária no Paraná.

Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres

Esta fortaleza foi construída na porção norte da Ilha do Mel, na entrada da Baía de Paranaguá (PR), entre 1767 e 1770. Está instalada no sopé do Morro da Baleia, do qual foram retiradas as pedras para a sua edificação. É o único exemplar da arquitetura militar do século XVIII no Paraná e caracteriza-se como uma fortificação orgânica, isto é, adaptada à condição topográfica do sítio. Manteve-se inicialmente com 12 peças de artilharia e um pequeno destacamento militar. A bateria de canhões no topo do morro foi instalada posteriormente, no início do século XX, mas não chegou a ser concluída.

Patrimônio imaterial

Fandango Caiçara (SP e PR)

O fandango caiçara é uma expressão cultural que se manifesta por meio de música e dança, saberes e fazeres, trabalho e divertimento. No Paraná, é uma forma de expressão profundamente enraizada nas comunidades caiçaras nos municípios de Guaraqueçaba, Paranaguá e Morretes. O fandango é praticado pelas comunidades caiçaras que produzem seus próprios instrumentos musicais, preparam comidas e bebidas para os bailes. As mesas fartas reúnem a comunidade nas festas que reforçam suas relações de parentesco e convivência ao som de viola ou sanfona, com danças de roda e sapateados, alternadas por músicas e poesias. Esta manifestação cultural pode ser conhecida em Guaraqueçaba (a 173 km de Curitiba, às margens da bela baía de Paranaguá).

A capital dos tropeiros

Escolhida a Capital da Cultura Brasileira, a cidade de Lapa (PR) possui importante patrimônio cultural. Em sua história, ocupam lugar de destaque os comboios de tropeiros que atravessavam a região dos Campos Gerais do estado, vindos da Serra do Mar em direção a São Paulo. A população do município se considera herdeira dos hábitos, valores e costumes desses homens que lavraram essas terras com amor e coragem, colocando a cidade na rota de uma história que jamais será esquecida. Também são muito presentes no município as congadas (que simboliza devoção e louvor a São Benedito) e a gastronomia de origem tropeira. A comida típica mostra as influências portuguesa, indígena e africana. Um dos pratos que mais agradam é a paçoca lapeana preparada com charque e torresmo, farinha de mandioca, e quirera (milho quebrado e carne de suã).

Fonte: Ministério do Turismo/Ministério da Cultura/Iphan

Cidade São Paulo SP – Calendário da Copa

calendario cidade sao paulo sp

O estado inteiro de São Paulo reserva muitas surpresas. Desde a sua cosmopolita capital, às suas praias do litoral norte e sul, montanhas, rios e florestas preservadas, não faltam atrações para quem chega a passeio ou negócios.

São Paulo também possui a fama de ser um Estado que acolhe a todos os tipos de pessoas, vindos de toda parte do mundo, sendo mais de 70 nacionalidades e brasileiros de todos os estados que chegam diariamente à procura de oportunidades, cultura e diversão.

São Paulo tem como traços marcantes o empreendedorismo e o trabalho sério e árduo, que lhe rendeu uma fama que acompanha os paulistas desde a fundação de sua primeira vila, São Vicente, a mais antiga do País, quando os jesuítas e os primeiros colonos começaram a desenvolver agricultura de subsistência.

Já a capital do estado ostenta o título de maior cidade do hemisfério sul e uma das mais populosas do mundo. A cidade de São Paulo é o centro mais cosmopolita do país, sendo chamada a té de a capital da cultura, da gastronomia, do entretenimento, especialmente o noturno, da economia, da moda e muito mais.

É em São Paulo que será realizada a partida de abertura da Copa do Mundo da FIFA, na Arena Corinthians, em 12 de junho de 2014, além de outros cinco jogos do torneio.

A cidade de São Paulo foi fundada em 1554 por padres jesuítas, e além de ser a maior cidade do país, sendo mundialmente conhecida, exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político.

A forte imigração no final do século XIX e início do século XX trouxe pessoas de todas as partes do mundo para a cidade, sendo que dos mais de cinco milhões de imigrantes que desembarcaram no Brasil, grande parte se fixou em território paulista. A população descende principalmente de imigrantes europeus (sobretudo portugueses, italianos, espanhóis e alemães). Também há grandes comunidades de povos do Oriente Médio (libaneses, sírios e armênios) e da Ásia Oriental (japoneses, coreanos e chineses), além de descendentes de africanos e indígenas.

Toda esta diversidade de povos e culturas que construíram a cidade faz também com que a rica gastronomia da região seja um grande atrativo turístico. A vida cultural na cidade é considerada umas das melhores do país. Há diversos cinemas, teatros, museus e galerias de arte, além de poder contar com importantes monumentos, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o Museu do Ipiranga (foto), o Museu de Arte, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a Avenida Paulista.

copa do mundo 2014 sao paulo sp

São Paulo tem sempre uma oferta que pode interessar: 260 salas de cinema, 181 casas de espetáculos, 79 shoppings, 75 parques e áreas verdes, 90 bibliotecas, inúmeras casas noturnas e bares, festas e exposições. Não bastassem as atrações permanentes da cidade, o calendário de eventos locais – com peso internacional – atrai ainda mais os turistas, seja em busca de espetáculos artísticos e culturais, como a Bienal Internacional de Arte, eventos como a maior Parada Gay do mundo e o evento de moda São Paulo Fashion Week, ou os aficionados por esportes, como o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, a Fórmula Indy 300 e o futebol.

É possível encontrar patrimônios históricos e culturais em toda São Paulo. Na capital, por exemplo, estão as três casas projetadas por Gregori Warchavchik – consideradas as primeiras obras de arquitetura moderna no Brasil, além de igrejas, pinturas e imagens, coleções a acervos museológicos. Também pode se observar o Monumento à Independência do Brasil, um conjunto escultórico em granito e bronze localizada no sítio histórico onde Dom Pedro I, imperador do Brasil, proclamou a independência do país do Reino Unido de Portugal.

São Paulo divide com o Paraná o trecho da Mata Atlântica declarado Reserva da Biosfera, pela UNESCO, em 1991 e Patrimônio Natural Mundial, em 1999. A biodiversidade da Mata Atlântica é semelhante à da Amazônia, havendo subdivisões do bioma em diversos ecossistemas devido a variações de latitude e altitude.

No estado de São Paulo, existem quatro tipos distintos de clima: o tropical superúmido, tropical de altitude, tropical quente e úmido e subtropical úmido.

Dados da Cidade

  • População: 11.253.503habitantes
  • Área: 1.523.278 km2
  • Altitude: 760 metros
  • Código de área: 11
  • Tensão elétrica: 110 V (Nos principais hotéis da cidade, encontram-se tomadas com identificação de 220 volts)
  • Clima: Tropical de altitude.
  • Temperatura média anual: 19ºC
  • Vegetação: Mata Atlântica

Feriados locais em São Paulo

25 de janeiro: Dia da Fundação da Cidade de São Paulo
9 de julho: Dia da Revolução Constitucionalista de 1932

Site oficial da Prefeitura Municipal de São Paulo

www.capital.sp.gov.br/portalpmsp/homec.jsp

Site oficial da Secretaria de Turismo de São Paulo e Centro de atendimento ao turista – São Paulo Turismo

www.cidadedesaopaulo.com

Centrais de Informações Turísticas (CITs)

CIT Aeroporto
Terminais 1 e 2, nas áreas de desembarque do Aeroporto de Guarulhos.
Rodovia Hélio Smidt, s/n
Diariamente das 6h às 22h.


Estádio Arena Corinthians São Paulo

O Estádio para a abertura da Copa do Mundo da FIFA 2014 ainda está concluindo suas obras. O gramado já está pronto e demarcado. O setor leste já recebeu os assentos – que também começam a ser colocados no setor sul – e a maior parte dos banheiros e dos pisos internos já estão prontos, assim como as coberturas das arquibancadas leste e oeste, a fachada do lado leste e a do lado oeste. Das coberturas metálicas, faltam dois módulos, um no setor sul, outro do norte, que deverão estar colocados até o final do ano. Também estão em estágio avançado o acabamento dos camarotes, das lojas e dos vestiários.

A Arena Corinthians terá capacidade para 69.160 mil torcedores. São 48 mil assentos convencionais e 21.160 móveis, exigidos pela FIFA para a abertura, que deverão ser removidos após o Mundial. O estádio terá 120 camarotes, 40 deles especiais, com capacidade para 90 pessoas, seis mil cadeiras superiores cobertas, 10 mil cadeiras numeradas cobertas, restaurantes e 3.500 vagas no estacionamento. A previsão é de que a Arena fique pronta até o final deste ano.

Aeroportos de Guarulhos e Viracopos em São Paulo

Em relação ao transporte aéreo a cidade possui dois principais aeroportos: Aeroporto de Congonhas, que atende os voos domésticos e o Aeroporto Internacional de São Paulo, localizado no município de Guarulhos, que serve voos domésticos e internacionais, sendo um dos principais do Brasil. Há, ainda, o Aeroporto Campo de Marte que serve para helicópteros e aviões de pequeno porte.

A Matriz de Responsabilidades da Copa do Mundo da FIFA em São Paulo prevê interferências com investimentos públicos e privados nos aeroportos de Guarulhos, em São Paulo e de Viracopos, em Campinas. Os dois terminais são considerados estratégicos no plano de mobilidade para o Mundial e passaram por processo de concessão à iniciativa privada.

Em Guarulhos, com a conclusão do Terminal 3, a expectativa é de que o aeroporto passe a receber 12,5 milhões de passageiros a mais por ano. Atualmente, os terminais em funcionamento, 1, 2 e 4, atendem a 35 milhões de passageiros por ano. As reformas pretendem elevar a capacidade do aeroporto para 60 milhões de passageiros ao ano.

Além disso, o número de câmeras de segurança espalhadas pelo aeroporto também devem subir, sendo que um novo sistema será capaz de identificar situações de insegurança. Pelo contrato de concessão, o edifício-garagem e o terminal 3 deverão estar operando até a Copa do Mundo de 2014. Melhorias na pista, no pátio e nos terminais 1 e 2 do aeroporto também devem estar concluídas até o Mundial. A Infraero já finalizou a implantação do Terminal 4, a revitalização do sitema de pistas e a terraplenagem do pátio de aeronaves do Terminal 3.

Em Viracopos, a previsão é de que, ao fim da primeira etapa de obras da concessionária, o aeroporto possa receber um fluxo anual de 14 milhões de passageiros. Estima-se que sejam criados 5.600 empregos diretos na execução das obras.

Outras obras em São Paulo

Haverá um conjunto de intervenções viárias no entorno da Arena Corinthians, em Itaquera. A obra faz parte da segunda etapa do Complexo Viário Polo Itaquera e pretende facilitar o acesso ao estádio.

Ao todo, são cinco intervenções, que incluem alças de ligação no cruzamento da Avenida Jacú Pêssego com a Avenida José Pinheiro Borges (Nova Radial); nova avenida de Ligação Norte-Sul, no trecho entre a Avenida Itaquera e a Avenida José Pinheiro Borges (Nova Radial), incluindo as transposições em desnível sobre as linhas do Metrô e da CPTM.

Outra intervenção é uma nova avenida articulando a Ligação Norte-Sul com a Avenida Miguel Inácio Curi, junto à adutora da Sabesp existente. Há uma passagem em desnível na Rua Dr. Luis Aires (Radial Leste), no trecho em frente às estações do Metrô e da CPTM e Adequação viária no cruzamento da Avenida Miguel Inácio Curi com a Avenida Engenheiro Adervan Machado.

Durante os jogos da Copa do Mundo, o conjunto de viadutos facilitará a locomoção dos torcedores que se deslocarão à Arena de São Paulo vindos diretamente de Guarulhos, e vice-versa.

Monumentos selecionados em São Paulo

Igreja de São Miguel Paulista

A Igreja de uma nave, capela-mor e cobertura de telha vã (em duas águas) com madeiramento aparente, foi construída em taipa de pilão. Seu interior possui peças torneadas de jacarandá. A pedido dos franciscanos, foi reformada em 1691 e no século XVIII. O pé direito da capela foi elevado de quatro para seis metros, fazendo com que a cobertura da varanda lateral da igreja ficasse mais baixa, o que possibilitou a criação das janelas do coro. Foi um dos primeiros edifícios tombado pelo IPHAN, em 1938.

Casa Modernista de Warchavchik

A Casa Modernista, projetada e construída em 1927, por Gregori Warchavchik (1896-1972), foi a primeira edificação que empregou os princípios racionais do arquiteto francês Le Corbusier. O sobrado, de linhas retas, em forma de cubos e planos, característica da arquitetura moderna, possui cobertura com telhas coloniais, embutidas por platibandas. Os detalhes das esquadrias, tanto em madeira quanto em ferro, foram desenhados por ele e executados em sua própria oficina. O jardim foi projetado por sua mulher, Mina Klabin, com uma área de 12 mil metros quadrados com plantas típicas brasileiras.

Conjunto do Ipiranga: Parque da Independência

O Parque da Independência, inaugurado em 1988 no bairro do Ipiranga faz parte do patrimônio histórico nacional brasileiro. Abriga o Museu do Ipiranga, o Monumento à Independência, jardins e a Casa do Grito. Um jardim projetado em estilo francês une o museu e o monumento aos outros edifícios existentes no local, que abrigam um viveiro de plantas e um museu de zoologia. Localizado em terreno rebaixado, o jardim proporciona grande impacto visual em conjunto com o prédio do Museu.

Conjunto do Ipiranga: Museu Paulista

O edifício eclético do Museu, de autoria do engenheiro italiano Tommaso Gaudenzio Bezziser, foi concebido como um monumento comemorativo da independência do país.

Conjunto do Ipiranga: Monumento à Independência
De autoria do escultor italiano Ettore Ximenes, é um conjunto escultórico em granito e bronze. Localiza-se às margens do Riacho do Ipiranga, no sítio histórico onde Dom Pedro I, imperador do Brasil, proclamou a independência do país do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, em 7 de setembro de 1822.

Conjunto do Ipiranga: Casa do Grito

Uma singela construção de pau a pique, foi reconstruída em 1955 de conformidade com a cena concebida por Pedro Américo em sua conhecida obra sobre a Independência do Brasil.

MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

O Museu de Arte de São Paulo foi criado por Assis Chateaubriand que o instalou, inicialmente, em 1947, nas dependências dos Diários Associados. Durante a administração de Adhemar de Barros, em 1959, a Prefeitura cedeu uma área do Trianon para a construção da sede definitiva do museu, inaugurado em 7 de novembro de 1968. O edifício sede do museu é um ícone da cidade de São Paulo. Em 2003 foi tombado pelo IPHAN. Além de museu, o MASP é um centro cultural que proporciona diversas atividades ao público, como escola de arte, ateliês, espetáculos de dança, música e teatro, palestras e debates, cursos para professores, entre outras tantas atividades realizadas durante todo o ano.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

O conjunto é formado pela igreja e pela antiga residência dos padres, conjugadas numa mesma edificação. O desenho das portas e janelas cria uma delicada movimentação da fachada. Trata-se de um dos mais importantes e preservados remanescentes das construções jesuítas em São Paulo, caracterizadas pela simplicidade das linhas retas. A Igreja foi construída por volta de 1700 pelo padre Belchior de Pontes, para substituir a uma capela que ficava na fazenda de Catarina Camacho, também dedicada à Nossa Senhora do Rosário, padroeira do município de Embu. Ela foi feita em taipa de pilão com trabalhos de pintura na capela principal e na sacristia. Entre 1730 e 1734, os jesuítas constroem a sua residência anexa à igreja, formando um conjunto arquitetônico contínuo de linhas retas e sóbrias. No século XIX, o conjunto arquitetônico dos jesuítas do Embu ganha várias esculturas sacras e entalhes do padre Macaré, também conservados na igreja e no museu de arte sacra.

Vila Ferroviária de Paranapiacaba

Paranapiacaba significa em tupi-guarani lugar de onde se vê o mar. Em um dia claro, esta era a visão que tinham os povos indígenas que passavam por ali, depois de subir a Serra do Mar rumo ao planalto. No século XIX, naquele caminho íngreme utilizado pelos índios, desde os tempos pré-coloniais, foi construída uma estrada de ferro que mudou a paisagem do interior paulista e propiciou a fundação da vila de Paranapiacaba. A vila era inicialmente um acampamento de operários. Depois da inauguração da ferrovia, em 1867, houve a necessidade de se fixar parte deles no local para cuidar da manutenção do sistema. Em 2002, foi tombada pelo IPHAN como patrimônio cultural do Brasil.

Palácio dos Azulejos
É um edifício histórico localizado no Centro da cidade de Campinas (SP), no cruzamento das ruas Ferreira Penteado e Regente Feijó. Tem esse nome em função de seu revestimento de azulejos portugueses no pavimento superior. Foi construído em 1878, para servir de moradia a Joaquim Ferreira Penteado, barão de Itatiba. Em 1908, o prédio foi doado pelos sucessores do barão ao município e passou a abrigar o Fórum e na sede da Prefeitura Municipal, que ficou no prédio até 1968, quando o Palácio dos Jequitibás foi concluído. Em 1967, o Palácio dos Azulejos obteve o reconhecimento federal, estadual e municipal, e foi tombado pelo IPHAN.

Teatro Oficina

Fundado em 1958 na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo por Amir Haddad, José Celso Martinez Correa e Carlos Queiroz Telles, o Teatro Oficina Uzyna Uzona, ou simplesmente Teatro Oficina fica no bairro do Bixiga. O espaço reuniu grandes artistas e também foi o cenário do lançamento de um importante manifesto da cultura brasileira, o Tropicalismo, versão na década de 1970 do movimento antropofágico de Oswald de Andrade, que influenciou músicos, poetas e outros artistas. O local foi transformado em teatro público estadual em 1984, sob administração do Grupo Oficina. Já bem diferente de suas feições originais, o prédio foi reconstruído em 1986, com base em projeto da arquiteta Lina Bo Bardi, que manteve a fachada simplória de uma casa do Bexiga, mas ergueu no interior arquitetura de desenho moderno. O Teatro foi tombado pelo IPHAN em 2010 por seu valor histórico e arquitetônico.

Estação da Luz

Localizada no bairro da Luz, foi construída no fim do século XIX com o objetivo de sediar a recém-criada Companhia São Paulo Railway, de origem britânica. Sua maior importância, no entanto, era na condição de infraestrutura econômica para o país: por ali passava o café que seguia para o porto de Santos para exportação. A Estação da Luz também recebia bens de consumo e de capital importados que abasteciam a cidade, ainda pouco industrializada. A estação reflete o momento histórico em que foi construída, evidenciando o poder do café na trajetória de expansão da cidade. Erguida junto ao Jardim da Luz, por décadas a sua torre dominou parte da paisagem central paulistana. A Estação da Luz foi tombada pelo IPHAN em 1996.

Igreja e Mosteiro de São Bento

O Mosteiro de São Bento, localizado no Largo de São Bento, no Centro de São Paulo, é um dos edifícios históricos mais importantes da cidade. Forma um conjunto com a Basílica Abacial de Nossa Senhora da Assunção, o Colégio de São Bento e a Faculdade de São Bento. Os monges vivem em oração, estando sempre de prontidão para receber hóspedes e visitantes, acolhendo ainda os que vêm à vida de oração, retiro, ou os que procuram orientação espiritual ou confissão. A Igreja de São Bento foi construída em 1598.

Fazenda Resgate

É uma antiga fazenda de Café que fica no município de Bananal (SP). A casa, construída em meados do século XVIII, baseada no estilo senhorial português (com apenas um pavimento) e adaptada à solução mineira de produção de café da primeira metade do século XIX (já com dois pavimentos, porém sem nenhum requinte), ganhou fachada neoclássica com uma escada central em cantaria. Os materiais de construção empregados na reforma também diferem dos utilizados em sua construção: o primeiro pavimento é feito em pedra e pau-a-pique e o segundo com tijolos de adobe. Dessa forma, a Fazenda Resgate transforma-se em um monumento preservado da história do Brasil. É tombada pelo IPHAN e considerada uma das cem mais belas e importantes edificações da história do Brasil.

Casa Candido Portinari

Instalada na cidade de Brodowski (SP), o imóvel e seus anexos não foram levantados de uma só vez. São resultado de ampliações sucessivas, tratando-se de uma construção extremamente simples em sua estrutura. No interior da residência, na área dos jardins, encontra-se a Capela da Nonna, feita pelo artista para sua avó rezar. Na capela, Portinari pintou os santos prediletos da avó, mas todos eles com fisionomias de pessoas da sua família. A temática das obras é predominantemente sacra. Exceto as primeiras experiências nesse gênero de pintura, as obras de Portinari do acervo da casa são religiosas. O IPHAN tombou a Casa de Portinari em 9 de dezembro de 1968.

Aldeia de Carapicuiba

A Aldeia de Carapicuíba é o nome dado a um centro histórico localizado ao Sul do município de Carapicuíba (SP). Embora bastante povoado por indígenas, suas terras se restringiram a duas léguas em torno da Capela Santa Cruz. Foi criada pelos padres jesuítas que tomaram posse da terra, doada por um fazendeiro e sua esposa, em meados de 1759. Entretanto, sua fundação é considerada oficial em 12 de outubro de 1580. A Aldeia é tombada como patrimônio histórico Nacional.

Sitio Mandú

A Casa do Sítio do Mandú, tombada pelo IPHAN, constitui marco importante do ciclo bandeirista-jesuítico e também tropeiro na cidade de Cotia (SP). É um exemplar da arquitetura rural paulista do século XVII, e destaca-se por apresentar uma varanda nos fundos da casa e sinais de piso assoalhado. A capela interna possui pintura seiscentista na cúpula do altar-mor. O terreno é composto por uma casa de estilo colonial, com quatro quartos e dois alpendres, um na frente, fazendo parte da área social, e outro atrás para serviços domésticos. A palavra mandú deriva do tupi, Mandu’aha, e significa carga ambulante.

Centro Histórico de São Luiz do Paraitinga

Com arquitetura em estilo colonial, a cidade preserva características da época dos barões do café. O Centro agrega casarões, ladeiras, capelas, praças, coretos e fontes. O tombamento feito pelo IPHAN em 2010 abrange o centro histórico e a preservação visual do entorno da cidade, que tem montanhas da Serra do Mar.

Patrimônio Imaterial

Fandango Caiçara

É uma expressão musical-coreográfica-poética e festiva que abrange o litoral sul de São Paulo e o litoral norte do Paraná. Profundamente enraizada no cotidiano das comunidades caiçaras, um espaço de reiteração de sua identidade e determinante dos padrões de sociabilidade local, possui uma estrutura bastante complexa e se define em um conjunto de práticas que perpassam o trabalho, o divertimento, a religiosidade, a música e a dança, prestígios e rivalidades, saberes e fazeres. O Fandango Caiçara se classifica em batido e bailado ou valsado, cujas diferenças se definem pelos instrumentos utilizados, pela estrutura musical, pelos versos e toques. Nos bailes se estabelecem redes de trocas e diálogos entre gerações, intercâmbio de instrumentos, afinações, modas e passos viabilizando a manutenção da memória e da prática das diferentes músicas e danças.

Fonte: Ministério da Cultura / Ministério do Turismo

Dia do Marinheiro

Foi no dia 13 de dezembro de 1807, que Joaquim Marques Lisboa, o Marquês e Almirante de Tamandaré, Ministro do Supremo Tribunal Militar e considerado o patrono da Marinha Brasileira pelos seus atos de heroísmo em batalhas nasceu na Vila do Rio Grande, Rio Grande do Sul, e por esta razão a data foi escolhida para homenagear o Dia do Marinheiro comemorado por todos os quartéis da Marinha, uma das três Forças Armadas que integram o Poder Militar do país.

Um marinheiro é, em sentido lato, uma pessoa que opera embarcações ou assiste à sua operação, manutenção ou serviço. O termo aplica-se aos profissionais das marinhas de comércio e pesca, aos militares das marinhas de guerra e aos profissionais e amadores certificados da náutica de recreio.

Além do sentido lato – no qual se refere desde ao grumete até ao almirante -, nas marinhas de guerra, o termo “marinheiro” designa, em sentido restrito, uma ou mais graduações dentro da categoria dos praças. Igualmente, na marinha mercante, o termo “marinheiro” refere-se a uma ou mais categorias profissionais do pessoal do convés, dentro escalão da marinhagem.

No Brasil, todo os profissionais da marinha mercante são globalmente designados como “aquaviários”, os quais se dividem vários grupos, entre os quais o dos “marítimos”, o dos “fluviários” e o dos “pescadores”. Existem várias especializações e categorias dentro da profissão de marinheiro. A certificação das mesmas obedece a regras estabelecidas internacionalmente. Na marinha mercante as várias especializações agrupam-se em várias carreiras, das quais as principais são a de convés, a de máquinas, a das câmaras, a radiotécnica e a de saúde.

Dentro de cada uma das carreiras profissionais, os marítimos agrupam-se em três escalões: o de oficiais, o de mestrança e o de marinhagem. Cada escalão inclui várias categorias, a cada uma das quais corresponde um determinado nível de experiência ou de formação.

Dia do Diretor de Escola

O diretor de uma escola tem em suas mãos uma grande soma de responsabilidades, sendo a peça básica para o bom funcionamento da escola e diretamente responsável por tudo o que se passa dentro dela. Por isso, a sua profissão é homenageada com a criação do Dia do Diretor de Escola, no dia 12 de dezembro.

Em ocasiões especiais, o diretor representa a escola, por exemplo, quando comparece a uma solenidade como convidado por função de diretor, quando preside uma reunião na própria escola, quando confere certificados e diplomas ou quando se dirige a outras entidades para tratar de assuntos de interesse da escola.

A função de um diretor escolar é bastante complexa, com três aspectos relevantes: o de autoridade escolar suprema; a de educador exemplar e a de administrador institucional.