Dia do Tango

O Dia do Tango é celebrado em 11 de dezembro, em homenagem às datas de nascimento dos criadores de duas vertentes da dança: Carlos Gardel (11 de dezembro de 1890) e Júlio de Caro, diretor de orquestra (11 de dezembro de 1899).

Gardel foi o maior propagador do tango no mundo. Faleceu aos 45 anos em um acidente de avião, com toda sua orquestra, mas deixou preparado o caminho para outros tangueiros.

Origem

A origem do nome tango tem várias definições. Alguns a atribuem à expressão tamgu, da Nigéria, que significa “bailar ao som do tambor”. Em Buenos Aires, acreditava-se que os negros designavam seu instrumento de “tangor” porque tinham dificuldade para pronunciar “tambor”.

O tango é um tipo musical e uma dança a par de origem na área de Rio da Prata, na América do Sul, nas cidades de Buenos Aires e Montevidéu. Tem forma musical binária e compasso de dois por quatro. A coreografia é complexa e as habilidades dos bailarinos são celebradas pelos aficionados. Segundo Discépolo, “o tango é um pensamento triste que se pode dançar”.

A música do tango não tem uma origem muito clara. De acordo com estudos que não dispõem de numerosa documentação, o tango descenderia da habanera e se interpretava nos prostíbulos de Buenos Aires e Montevidéu, nas duas últimas décadas do século XIX, com violino, flauta e violão.

Nessa época inicial era dançado por dois homens, daí o fato dos rosto virados, sem se fitar. Depois, já nos anos 1910, como o sucesso em Paris foi aceito pela aristocracia platina.

O Tango mescla o drama, a paixão, a sexualidade, a agressividade, é sempre e totalmente triste. Como dança é “duro”, masculino, sem meneios femininos, a mulher é sempre submissa. O ritmo é sincopado, tem um compasso binário. A síncope é de uma nota tocada no tempo fraco que se prolonga até um tempo forte, o que movimenta a música e desloca acentuação do ritmo.