Menu fechado

Deuses do Egito: Significado, Símbolos e Curiosidades

deuses do egito

Os deuses do Egito fazem parte de um conjunto de mitos e lendas de uma das principais  civilizações da antiguidade.

A antiga cultura egípcia é lembrada não só pelas construções, pela agricultura e pelos conhecimentos, mas também pelas suas crenças.

Assim, há uma imensa galeria de personagens que hoje classificaríamos como seres fantásticos, que povoava a mente dos mortais comuns da época, em boa parte substituindo a ausência de uma ciência que explicasse os diversos fenômenos da natureza.

Conheça neste artigo algumas das principais figuras mitológicas do antigo Egito.

Os deuses do Egito

Na mitologia haviam muitos deuses do Egito.
Na mitologia haviam muitos deuses do Egito.

A mitologia egípcia comporta mais de 1500 seres divinos, cada um voltado para um determinado aspecto da vida mundana ou espiritual. Os próprios faraós que  governavam o Egito eram considerados divinos, encarnações do deus Rá.

Chama a atenção em muitas dessas divindades seu aspecto meio humano, meio animal, com poderes transformadores.

Veja a seguir as características de alguns importantes deuses do Egito antigo.

Conta-se que, após decidir existir, Rá decidiu criar o mundo e mantê-lo vivo.

Rá é um dos principais deuses egípcios, responsável por construir pirâmides e ressuscitar faraós.

Acreditava-se que, todos os dias, Rá nascia ao amanhecer e morria ao pôr-do-sol, dirigindo-se ao submundo, de onde retornava na manhã seguinte.

Após o pôr do sol, Rá transformava-se em Atum, um homem velho de corpo curvado, que levava seus raios para aquecer o mundo dos mortos. Ao amanhecer, Rá renascia no leste em forma de um  escaravelho, conhecido pelo nome de Khepri.

Rá apresentava-se com corpo de homem mas uma cabeça de falcão, envolta por um disco solar.

Dentro da mitologia egípcia há várias divindades resultantes da fusão entre Rá e outros deuses. Um deles é Ámon-Rá, possivelmente o mais poderoso e cultuado entre os deuses egípcios.

Ámon

Representado ora como uma figura humana, ora como um ser de cabeça de carneiro, Ámon era considerado o rei dos deuses egípcios. A figura de Ámon fundiu-se com a de Rá, dando origem a Ámon-Rá, o mais importante deus egípcio.

Mut

Mut era a esposa de Ámon e mãe de Khonsu. Seu nome significa “mãe” em egípcio. Ela ostentava duas coroas na cabeça, em referência aos reinos do Alto e Baixo Egito.

Também existem representações de Mut com uma cabeça de abutre ou ainda como uma vaca, sendo esta última resultante de uma fusão entre as deusas Mut e Hator.

Osíris

Filho mais velho de Zeb, deus da terra e de Nut, deusa do céu, Osíris sucedeu o pai como rei do Egito.

Por inveja, Osíris é morto por Seth, seu irmão.

Com a ajuda da irmã Neftis e de Anúbis, deus protetor dos mortos, Ísis, irmã e esposa de Osíris consegue ressucitá-lo. Após a ressurreição Osíris e Ísis têm um filho, Hórus.

Mais adiante, Osíris deixaria o reino na terra para seu filho, passando a ser o deus da vida pós morte.

Nessa nova condição, o papel de Osíris era auxiliar não só os faraós, mas toda a população que chegava a essa fase da existência.

Seth

Senhor do Alto Egito e irmão de Osíris, Seth era inicialmente o deus das tempestades e do deserto.

Entretanto, foi se tornando uma representação do caos e da escuridão. A maior popularidade de Osíris fez de Seth um deus esquecido pelos egípcios.

Apresentava-se com corpo de homem e cabeça de cachorro, com as orelhas cortadas, o focinho recurvado e uma cauda bifurcada.

Às vezes era descrito como um porco, um crocodilo, um hipopótamo ou um escorpião. Seth era persistente, tido como o necessário fomentador de problemas no mundo.

Ísis

Mãe de Hórus, irmã e esposa de Osíris, Ísis era considerada a deusa da fertilidade. Ora se apresentava como uma mulher, ora como uma figura com corpo de mulher e cabeça de vaca.

Conta-se que o rio Nilo surgiu a partir das lágrimas de Ísis, que chorou muito com a morte de seu irmão e esposo Osíris.

Para ressuscitar Osíris, Ísis o envolveu em bandagens, criando assim a prática de mumificação dos mortos. Acredita-se que a ideia de ressurreição apresentada na história de Osíris tenha influenciado outras religiões, entre elas o cristianismo.

Neftis

Neftis era irmã e esposa de Seth, mas quando este matou Osíris, Neftis o abandonou, ficando ao lado de Ísis, ajudando-a a ressuscitar Osíris.

Assim, Neftis passou a ser associada ao culto dos mortos, sendo frequentemente representada ao lado de sarcófagos.

Hórus

Filho de Osíris e de Ísis, Hórus decidiu vingar a morte de seu pai, assassinando diretamente seu tio Seth e tornando-se rei do Egito.

Hórus tinha corpo de homem e cabeça de falcão, com uma coroa vermelha e branca. Também era o deus do céu e da luz.

Muitos faraós, ao chegar ao poder, se autodenominavam como uma reencarnação de Hórus.

Anúbis

Com  corpo de homem e cabeça de chacal, Anúbis foi o deus do reino dos mortos até a morte de Osíris

Anúbis era fruto de uma “união acidental” entre Osíris e Neftis. Era responsável pela mumificação dos mortos e por orientações às almas na vida após a morte.

Ao mesmo tempo, Anúbis representava o renascimento e era um dos participantes da cerimônia que decidia o destino dos mortos, julgando seus atos em vida.

Thoth

A origem de Thoth não é muito clara. Alguns estudiosos o colocam como filho de Rá, outros o têm como filho de Seth.

Deus da escrita, da sabedoria e da magia, Thoth tinha corpo de homem e cabeça de babuíno ou de Íbis.

Thoth era o responsável pela biblioteca dos deuses. É considerado o introdutor dos hieróglifos entre os egípcios.

Por sua sabedoria e seus conhecimentos, Thoth aparece em vários mitos egípcios como um mediador em conflitos entre o bem e o mal.

Hator

Muito popular, Hator era considerada uma figura sábia, gentil e afetuosa, com os vivos e com os mortos.

Hator era esposa de Hórus, também chamada de Senhora do Céu, da Terra e do Submundo. Era muito ligada à dança e também à música.

Protetora das mulheres grávidas, Hator era por isso considerada a deusa da fertilidade. Sua figura era representada com um corpo de mulher e uma cabeça de vaca.

Sekhmet

A poderosa deusa Sekhmet foi responsável pela destruição dos inimigos de Rá e protegia os faraós na luta contra seus adversários. Sekhmet era também ligada à saúde e à medicina.

De acordo com essas características, Sekhmet era representada com um corpo de mulher e uma cabeça de leoa, muitas vezes envolta por um disco solar, um sinal de autoridade.

Maat

Maat era a deusa da verdade, da justiça, da moralidade, da ordem e da harmonia, simbolizando o equilíbrio do universo.

Com efeito, a cerimônia de julgamento dos mortos, conhecida como “Pesagem do Coração”, era realizada em seu salão.

Enquanto outros deuses se apresentavam como meio humanos e meio animais, Maat trazia apenas uma pena de avestruz sobre a cabeça.

Bastet

Bastet, filha do deus Rá, era considerada uma figura protetora maternal, mas, quando necessário, tornava-se feroz. Sua figura era representada com um corpo de mulher e uma cabeça de gato ou como um gato mesmo.

Conclusão

A riqueza da mitologia de um povo mostra, entre outras coisas, uma sofisticada complexidade cultural, própria de uma civilização que atingiu elevado grau de desenvolvimento para sua época.

Em resumo, conhecer um pouco sobre os deuses do Egito nos permite avaliar parte da grande riqueza deixada por essa civilização.