Menu fechado

Dia dos Namorados: 12 de junho

dia dos namorados: 12 de junho

Ah, o amor…! Sob todos os ângulos possíveis, somente o Dia das Mães é comparável ao Dia dos Namorados. Seja pelo ângulo da manifestação do sentimento, pelo econômico no comércio, pela tradição na sociedade etc.

Fernando Pessoa, o maior poeta da Língua Portuguesa, disse: “Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”

Em princípio, a frase do poeta pode parecer meio complicada. Porém, parando um pouco e analisando, ela quer dizer “Dia dos Namorados”. Nas entrelinhas, nas entrepalavras, vírgula a vírgula, é isso que o poeta quis dizer.

Romantismo e ciência

E alguém poderia argumentar: “Ah! Mas isso é romantismo”. Sim, é. Afinal, o tema é romântico. Contudo, se a questão for essa, veja o que diz a ciência na voz e no pensamento do pai da Psicanálise, Sigmund Freud: “Como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada!”.

Pois é! É isso.

E, não… não é feriado. O Dia dos Namorados é apenas data comemorativa. Romântica e comercial. Sentimental e comercial. Humana e comercial. Bem, mais romântica, sentimental e humana que propriamente comercial.

Troca de presentes é melhor maneira de se comemorar a data. Apesar de “presentes” significar matéria, físico, objetos, deve-se levar em consideração a representatividade neles contida. Mesmo porque, quando você presenteia a pessoa amada, está tatuando no presente todo o carinho e elevação dos sentimentos mais belos.

Portanto, não é presente. É estar presente no presente embalado. E esse “estar presente” é comemorado no mundo em 14 de fevereiro, mas, no Brasil, em 12 junho. Veja abaixo os porquês dessas datas.

Como se originou o Dia dos Namorados

A origem do dia dos namorados vem desde a epoca Romana.
A origem do dia dos namorados vem desde a epoca Romana.

Nenhuma das muitas teorias sobre as origens do Dia dos Namorados tem comprovação histórica. Contudo, é certo que os namorados não estão nem um pouco preocupados com isso.

Muitos historiadores alegam que, infelizmente, as origens reais do Dia dos Namorados não têm nada de romântica. Ela teria sido produto de uma festa romana milenar e nada sentimental. E, inclusive, acontecia em fevereiro.

Como se sabe, Roma teria sido fundada por dois irmãos, Rômulo e Rêmulo. Estes teriam sido abandonados às margens de um rio. Encontrados por uma loba, foram criados pelo animal. Bem, esse mito deu início à chamada Lupercália, festividades romanas em homenagem a seus fundadores.

A história é longa e intrigante. Para resumir, diz-se que os festejos davam início a períodos férteis e abundantes do ano. Num dos eventos daquelas festas, jovens se vestiam com pele de lobo. Saíam seminus pelas vias açoitando as pessoas com chicotes do mesmo material. Diz-se que quem recebesse os açoites seria feliz por todo o ano.

Acontece que os jovens, normalmente adolescentes, açoitavam as meninas em fase de procriação também. Aliás, especialmente as jovens. Assim, primeira que recebesse um açoite se casaria com o açoitador. Isso não era regra, era “esperança”.

Havia muito mais, digamos, orgias diversas na festa por conta fertilidade (Aliás, muito parecido com nosso Carnaval que também é comemorado em fevereiro). Com o advento do Cristianismo, as festividades foram convertidas para ritos menos ofensivos. Um deles é o Dia dos Namorados em homenagem a São Valentim.

O fato é que a data ganhou tanta força no mundo que até mesmo algumas regiões orientais já a comemoram atualmente. Mesmo que seus costumes tenham sido arredios em relação a costumes ocidentais.

Dia dos Namorados: versão mais conhecida

O dia dos namorados tem origem na história trágica de São Valentim.
O dia dos namorados tem origem na história trágica de São Valentim.

Uma das teorias diz que todo o sentido do Dia dos Namorados partiu de outro sentido: o de tragédia. Para outro poeta, Willian Shakespeare (esse o maior da Língua Inglesa), esse início nada romântico seria perfeito para suas tragédias regadas a amor.

Diz-se que havia um um religioso da Igreja Católica ainda no Império Romano. Chamava-se Valentinus, com o co-relato “Valentim”. Um de seus prazeres era celebrar casamentos. Por outro lado, o processo de perseguição ao cristianismo ainda estava ativo.

Entretanto, o Imperador Marco Aurélio Valério Cláudio, ou Claudius II, imaginou estratégia para aumentar o contingente de soldados em seu exército. Para isso, proibiu casamentos e relações amorosas. Ou seja, o celibato era Lei. Pensou ele que, não tendo famílias, os homens se concentrariam melhor nas guerras.

Por outro lado, Valentinus considerou a decisão um sacrilégio, já que o casamento era agradável a Deus. Então, passou a celebrar casamentos às escondidas. Mas, claro, foi descoberto, julgado e condenado à morte.

Amor e milagres

Enquanto estava na prisão à espera da execução, os jovens passavam pelas vias e jogavam madeiras e tiras de pano com orações cristãs e mensagens de força ao clérigo, além de frases enaltecendo o valor do amor e do casamento. O religioso foi decapitado em 14 de fevereiro de 270 da Era Cristã.

Interessante: uma parte não contada da história diz que uma das jovens que veneravam Valentinus do lado de fora da prisão era cega e filha do carcereiro. Conseguiu autorização do pai para estar com o prisioneiro. Nessa ocasião, apaixonou-se por ele e ocorreu um milagre. Ela passou a enxergar.

Apesar dos esforços de gratidão do pai da moça, o religioso foi morto por decapitação. Antes dessa tragédia, porém, o clérigo enamorado enviou um “bilhete” para sua amada apenas com a inscrição “Seu Valentinus”.

Daí surgiu o hábito do envio de cartões entre namorados nesse dia.

Dia dos Namorados: versão brasileira 1

A versão brasileira do Dia dos namorados está relacionado à Santo Antônio casamenteiro.
A versão brasileira do Dia dos namorados está relacionado à Santo Antônio casamenteiro.

Mostra a tradição que o Dia dos Namorados é, para os brasileiros, homenagem a Santo Antônio, o casamenteiro. Seu nome de batismo era Fernando de Bulhões, posteriormente se tornou frei.

O frei nasceu em família rica, mas sua devoção a Deus o fez entrar na vida clerical aos 15 anos de idade. Suas pregações eram cheias de enaltecimento ao amor, à paixão conjugal. Quase poeta, tocava os corações dos jovens apaixonados.

Foi canonizado logo após sua morte. Por ser venerado por jovens enamorados, passou a receber pedidos de milagres relacionados a casamento. A fama de casamenteiro ganhou espaço na Europa e, posteriormente, no Brasil por conta da chegada dos portugueses.

Assim, em terras tupiniquins, o Dia dos Namorados é comemorado em 12 de junho, véspera do Dia de Santo Antônio. É clara homenagem ao santo que tanto faz e continua fazendo por “jovens casadouras”.

Dia dos Namorados: versão brasileira 2

O dia dos namorados no Brasil também surgiu com uma campanha publicitária.
O dia dos namorados no Brasil também surgiu com uma campanha publicitária.

Mas há outra versão menos, digamos, romântica para a data no Brasil. Teria surgido em 1948 numa prancheta de marketing de uma grande loja de varejo de roupas jovens. Ou seja, muito antes do advento da onda dos shoppings centers.

As equipes gestoras da rede de lojas Clipper analisou o mapa de fluxo de vendas. Notou que estas decaíam muito no mês de junho. O conhecido publicitário, João Agripino da Costa Dória Neto, mais conhecido como João Dória, montou uma equipe de pesquisa. Após buscas por justificativas para o fato, notou-se que não havia datas memoráveis no mês de junho no Brasil.

Então, lançou-se em pesquisas a fim de encontrar um motivo qualquer para saudar como comemorável. Perceberam que, nesse mês, era comuns que jovens “casadoiras” prestassem homenagem a Santo Antônio e a ele faziam promessas. Isso se dava por conta de sua fama de “santo casamenteiro”.

Nesse caso, uniram o útil ao agradável. O útil era provável aumento nas vendas; o agradável era o hábito das jovens em busca de matrimônio. Estudaram um pouco o Valentine’s Day americano e aplicaram a ideia no país. Assim, escolheram o dia 12 como ideal para o Dia dos Namorados.

O sucesso da campanha se deu por uma série de fatores: religiosidade, tradicionalismo, sentimentalismo etc. Porém, o que realmente surtiu efeito foi o título-slogan da campanha: “não é só com beijos que se prova o amor”.

Foi assim que João Dória conseguiu aumentar as vendas da loja no mês junho. E, desde então, o hábito de trocar presentes se fortaleceu no meio romântico do país.

Bons presentes

Você vai ler abaixo sobre um presente fenomenal, o Taj Mahal. Bem, você não precisa ser um imperador Mogol para presentear bem sua amada. Sabe-se, por outro lado, que “presentes” envolvem questões pessoais. Como a gente comentou acima, há sentimentos e representatividade neles.

Portanto, segundo opinião de especialistas, o melhor presente para o Dia dos Namorados é aquele sentido profundamente pelo parceiro ou parceira. Nesse caso, pode ser:

  • Um lenço que o amado apanhou no chão e entregou à jovem
  • Um perfume que chamou a atenção da amada em certo dia
  • Um smartphone que serviu de elo entre os dois
  • Uma rosa que represente a beleza da mulher
  • Um carro que signifique o sonho de consumo do homem amado

Portanto, capriche no “objeto”, pois ele é mais que simples objeto.

Dia dos Namorados pelo mundo afora

O dia dos namorados também é ceebrado no resto do mundod e diferentes formas.
O dia dos namorados também é ceebrado no resto do mundod e diferentes formas.

Toda comemoração de algum fato histórico ou costumeiro vai recebendo influências da cultura local. Isso ocorre ao longo do tempo. E, quanto mais este avança, mais alterações vão se misturando.

Isso também ocorreu e ocorre com o Dia dos Namorados. Os povos apanham seus hábitos e criam novas formas de celebração.

Nos Estados Unidos

Lá, é chamado Valentine’s Day em alusão justamente ao São Valentim descrito acima. E a data é em fevereiro, no dia 14, dia em que provavelmente o santo foi assassinado.

Porém, os hábitos locais o transformaram em dia de manifestação de todo e qualquer sentimento puro entre as pessoas. Ou seja, não é dedicado apenas aos namorados.

Assim, pais presenteiam filhos, filhos abraçam pais, amigos levam mimos a outros, primos, cunhados, vizinhos, cônjuges enfim. Onde houver um sentimento agradável de amizade, fraternidade, carinho etc, lá é comemorado o Valentine’s Day.

E, claro, especialmente os namorados.

Interessante: nos EUA, há também troca de bilhetes, cartas e principalmente cartões. Porém, para demonstrar toda a consideração entre as pessoas, os cartões são tradicionalmente feitos à mão. Diz-se que, quanto mais elaborado, mais feliz fica a pessoa que recebe.

Na Inglaterra

Praticamente toda as denominações religiosas comemoram o Valentine’s Day, como é chamado também naquele país. Assim, fiéis luteranos, católicos, anglicanos e evangélicos em geral participam de alguma espécie de evento simples.

E, claro, também é celebrado em 14 de fevereiro. Lá, as origens da data são ainda mais confusas. Há dois santos que dão nome ao dia, mas São Valentim é o mais conhecido e mais aceito.

Contudo, conforme a gente disse acima, os povos vão mesclando seus hábitos às datas. Dessa maneira, o Dia dos Namorados na Inglaterra foi associado a sentimentos conjugais somente na Idade Média Alta. Até então, os poucos eventos visavam apenas comemorações aos dos dois santos.

Porém, o escritor considerado um dos pais da literatura inglesa, Geoffrey Chaucer, passa a fazer associar o Dia dos Namorados ao conceito que conhecemos hoje. O escritor foi convidado às festividades do aniversário de casamento do rei Ricardo I com Anne da Boêmia.

Disse ele em seu poema:

“[…] porque isso foi no Dia de São Valentim, quando cada pássaro vem escolher sua companheira […]”.

Isso foi em 1382 quando escreveu o “Parlement of Foules”. Esse fato está em diversos livros didáticos sobre literatura inglesa. Entretanto, não há reais registros que comprovem isso. Afinal, em fevereiro ainda é inverno no país e dificilmente “os pássaros sairiam em busca das amadas”.

Contudo, o verso do poema recebeu aclamação popular ao longo dos anos. Assim, tanto o verso quanto a data passaram a representar o carinho, o amor e a fraternidade entre os ingleses. Então, trocam doces, flores, cartas etc.

Finlândia

Nesse país, o Dia dos Namorados é considerado mais como “Dia dos Amigos” e é comemorado como “Valentine’s Day”. Ou seja, com troca de mimos, afagos e carinho.

A tradição manda que se troquem flores nesse dia. O hábito é oferecer rosas cor-de-rosa para amigos, parentes ou quem quer que seja o alvo do carinho.

Peru

O Dia dos Namorados é comemorado também em fevereiro, ou seja, em pleno Carnaval. Assim, o dia dos apaixonados se dá durante essas festas. A tradição sugere que orquídeas sejam oferecidas à amada, já que essa flor é nativa do local.

Há tantos casais querendo manifestar sua paixão que, via de regra, há organização de casamentos coletivos em muitas regiões do país.

Reino Unido

A data é comemorada também em fevereiro, a exemplo do restante dos países. Lá, o romantismo toma conta das atitudes. Jantares, bombons, mimos diversos são trocados entre os apaixonados.

Japão e Coreia do Sul

De certa maneira e no mundo em geral, a data é especial para que homens demonstrem seus sentimentos para a mulher amada. Contudo, nesses dois países, são as mulheres que tradicionalmente oferecem caixas de chocolates para os namorados.

Assim, elas invadem as lojas em busca do presente ideal. É assim a tradição. Contudo, há o outro lado da moeda: no mês seguinte, acontece o chamado Dia Branco – não se sabe exatamente o motivo do nome.

Nesse dia, os homens retribuem os presentes recebidos. Então, são eles que invadem as lojas à procura do presente que mais manifeste seus sentimentos.

Dinamarca

Não se sabe como a tradição começou, mas o Dia dos Namorados na Dinamarca bem que poderia ser chamado de “Dia do Engraçadinho”. Afinal, nesse dia os homens fazem brincadeiras bem-humoradas com as mulheres.

Eles escrevem bilhetes com todo tipo de texto, via de regra, engraçado. Mas também há poemas, declaração etc. Esses bilhetinhos chamam-se gaekkebrev e não são assinados.

A jovem que receber o bilhete deve adivinhar quem o enviou. Se conseguir, vai receber um ovo de Páscoa do remetente nesse mesmo ano.

Maior presente de todos os tempos

É quase impossível se falar de romantismo e não se lembrar de Taj Mahal. É considerado o maior presente em demonstração de amor de um homem por uma mulher. A suntuosidade da edificação é prova disso.

O imperador da região de Mogol, Índia, chamado Shahabuddin Mohammed Shah Jahan, dos anos de 1628 a 1658, tinha diversas esposas, mas a preferida era Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal, ou seja, “A joia do palácio”. O homem era extremamente apaixonado por ela e demonstrava seu amor a todo instante.

Ela lhe deu catorze filhos. Porém, morreu no parto. Desolado, o imperador queria encontrar uma maneira de demonstrar seu amor pelos séculos futuros. Assim, iniciou a construção do Taj Mahal em 1632, que durou mais de vinte anos, usou mais de vinte mil homens e serviu de túmulo para a esposa amada.

Em 2007, o mausoléu entrou para o rol das Sete Maravilhas do Mundo. Assim, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão.

Curiosidades e costumes sobre o Dia dos Namorados

  • Na Inglaterra, diz-se que quando uma jovem sai na manhã de 14 de fevereiro vai se casar com o primeiro jovem que vir
  • Em algumas regiões do mundo, as jovens escrevem nomes de pretendentes em papel misturado à argila e jogam num lago. O primeiro papel que emergir contém o nome do futuro marido
  • No Extremo Oriente, um rouxinol visto por uma jovem no dia 14 de fevereiro indica que seu marido será também jovem; for um pardal, o pretendente será pobre; caso seja um pintassilgo, ele será rico
  • Já no País de Gales, homens presenteiam as mulheres com colheres de madeira na qual é esculpido coração ou fechadura. Isso significa que seu coração foi “aberto” pela jovem que receber o mimo
  • O hábito de colocar folhas de louro nos travesseiros das jovens em fase de casamento ainda é usado em várias regiões do mundo. Isso as fará sonhar com o pretendente. O “problema”, muitas vezes, é convencer os homens de que eles estavam realmente nos sonhos
  • Na América do Sul e na África, há diversas regiões em que as mulheres ainda coam chá ou café em suas calcinhas juntamente com um papel em que o nome do amado esteja escrito

Então, é isso. O Dia dos Namorados pode, deve e precisa ser um dia especial, diferente.

Você tem alguma experiência legal relacionada ao Dia dos Namorados? Registre abaixo na área de comentários. Aproveite e deixe também sua opinião, sua impressão, sua ideia sobre este artigo.