Menu fechado

Dia do Salva-Vidas

dia do salva-vidas

Você já ouviu muito sobre o sentido de heroísmo de alguns profissionais. Já viu cenas em que policiais arriscam a vida, em que médicos se cobrem de sangue de vítimas de acidentes, em que professores caminham léguas para levar conhecimento etc. Bem, o Dia do Salva-vidas é especial para homenagear profissionais que também são envolvidos em aura de heroísmo.

Mais que isso: eles ficam à espreita, à espera para espantar perigos. Daí sua associação com “anjos”, conforme você vai ver mais abaixo. Dessa maneira, a ideia de salva-vidas é um pouco restrita. Está mais vinculada à ação dos homens que permanecem na praia, sentados na cadeirinha de sentinela, observando movimentos estranhos dos banhistas no mar.

Porém, a ação desses grandes seres humanos vai muito mais além. Não à toa, o símbolo-mascote, muito lembrado no Dia do Salva-vidas, é o Golfinho. Sua postura fraternal, sua destreza nas águas e sua velocidade no nado é tudo do que o um salva-vidas precisa.

Assim, o Dia do Salva-vidas no Brasil é cultuado em 28 de dezembro. Entretanto, as primeiras organizações de salva-vidas têm origem na França, segundo registros oficiais. Há vínculos entre atividades, a Societé Centrale de Sauvatage de Naufragés e os Hospitaliers Sauvateurs Bretons. Tais entidades foram reconhecidas como de utilidade pública em 1901.

Ao contrário do que se imagina, o salva-vidas não está restrito às praias. Ele também trabalha em clubes com piscina ou com ondas artificiais, grandes lagos em estâncias, hotéis etc.

Para começar, regulamentação

A profissão do salva-vidas ainda não é regulamentada no Brasil.
A profissão do salva-vidas ainda não é regulamentada no Brasil.

O estado de heroísmo dos salva-vidas está também evidente nos descasos políticos de que são vítimas. Em 2013, a Câmara dos Deputados aprovou intenção de regulamentação da profissão de salva-vidas. Veja bem: aprovou a intenção, a proposta. Isso seria excelente para as comemorações do Dia do Salva-vidas.

Pela proposta, as prefeituras – no caso de praias – e instituições – no caso de clubes, hotéis etc. – são obrigadas a manter pelo menos dois profissionais a cada 300 metros quadrados de superfície aquática.

Além disso, qualquer embarcação que se proponha a transportar passageiros coletivamente também precisa contratar pelo menos um profissional salva-vidas.

Depois da aprovação, o texto seguiria para avaliação por parte do Senado. Em setembro de 2018, ou seja, cinco anos depois, o site do Senado divulgou nota informando que o tema entraria em votação. Isto é, estaria na pauta do dia.

E ainda está “seguindo os trâmites legais”.

Por que há um Dia do Salva-vidas

O Dia do Salva-vidas, em princípio, teria função de fazer a população se lembrar da importância desses profissionais. Entretanto, é muito mais que isso. Trata-se mesmo de oportunidade para destacar o espírito humano por meio do qual esses homens e mulheres atuam.

É chance para se valorizar, apoiar, manifestar todo o interesse popular na melhoria das condições de trabalho, na oferta de treinamento cada vez mais adequado. E fortalecer também o interesse das autoridades constituídas para com a imagem do profissional representado no Dia do Salva-vidas.

A atração que os mares sempre na atenção do ser humano é evidente e histórica. Com o aumento das populações em todas as regiões do Planeta, a busca por momentos de diversão se intensificou igualmente.

Assim, por conta dessa atração e do baixo custo da diversão, as praias se tornaram um dos programas populares mais buscados. Dessa maneira, com o tempo, elas foram se mostrando excelente fonte de lazer.

Criação do Dia do Salva-vidas

A origem do Dia do Salva-vidas é controversa e desconhecida
A origem do Dia do Salva-vidas é controversa e desconhecida

A ideia em si da criação do Dia do Salva-vidas é controversa e praticamente desconhecida. Certamente, há motivos de sobra para se comemorar a existência desses notáveis seres, desses valorosos profissionais, desses destemidos humanos. E muita gente tem seus próprios motivos para isso.

Porém, toda comemoração de dias especiais foi idealizada em alguma situação, por alguém, em razão de algum fato. E isso é intrigante em relação ao Dia do Salva-vidas: não há registros claros de quem criou ou quando se criou esse dia.

A hagiologia brasileira diz que o dia 28 de dezembro é o dia específico do anjo Damibiah. Segundo ela, esse é o anjo protetor das situações que envolvem o mar, as águas em si. Ou seja, tudo que estiver relacionado com oceano está também relacionado a esse anjo.

Base esotérica do Dia do Salva-vidas

Dessa maneira, Damibiah seria o anjo que está atento para acalmar as águas em situação de afogamentos. Ou ainda para aconselhar aqueles desesperados que buscam as águas do mar para se suicidar. Ele também seria o desanuviador das energias negativas durante rituais aquáticos de pessoas contra inimigos.

O anjo Damibiah, segundo crença de seus protegidos:

  • Luta contra os sortilégios ou presságios ruins
  • Ajuda na obtenção do triunfo
  • Faz com que os empreendimentos tenham resultados úteis
  • Protege os vivem em cidades litorâneas, especialmente quem nelas trabalha
  • Auxilia nas pesquisas marítimas
  • Influencia os marinheiros

O terceiro item acima é que vincula o anjo Damibiah aos salva-vidas.

Assim, a associação com o anjo Damibiah e os salva-vidas é quase natural, é normal e pretensamente lógica. Portanto, o dia 28 de dezembro, que é o dia do anjo, é um momento ideal para aclamar a força dos salva-vidas.

Nota interessante: Hagiologia é o nome do conjunto de estudos, crenças e doutrinas dos santos, anjos e seres espirituais em geral. A Hagiologia Católica, nesse caso, estuda especificamente a vida dos santos com existência física e de anjos propriamente dito. Assim, não tem grandes preocupações com registros históricos, mas com as lendas e a fé que envolvem o nome dos santos ou anjos.

Base evidente do Dia do Salva-vidas

As relações entre o ser humano e o mar são antigas. A esmagadora maioria das estórias mitológicas sobre aventureiros tem relação com os mares. Mesmo histórias reais registradas contêm essa relação. Não à toa, água é um dos quatro elementos básicos da vida, segundo, inclusive, filósofos antigos clássicos.

Assim, à medida que essas relações foram se estreitando, os perigos começaram a se intensificar também. Com a necessidade de lazer, entretenimento, diversão, os mares, oceanos e lagos foram entrando na vida e no cotidiano das populações. Com isso, as situações foram mostrando necessidade de cuidados, de um cuidador.

Assim, por exemplo, as atividades dos profissionais do Dia do Salva-vidas começaram se mostrar eficientes e produtivas. No Brasil, diz-se que tais atividades tiveram início no Rio Grande do Sul por meio voluntários.

Dessa maneira, nos inícios da década de 50, alguns pescadores da praia de Tramandaí presenciavam momentos de desespero. Notavam que, em certa época do ano, o mar se tornava mais perigoso aos desavisados. Assim, passaram a dedicar parte de seu tempo para evitar afogamentos no mar.

Base humana para o Dia do Salva-vidas

Eles se mantinham à beira-mar, olhos fixos nas águas. Como eram experientes no mar, reconheciam movimentos anormais de banhistas. Quando identificavam uma situação de alarme, imediatamente se punham nas águas. Com isso, salvaram muitas vidas.

E tudo isso foi feito sem qualquer recompensa financeira, ou seja, sem salários. Apenas pela satisfação de ser úteis e de manter as atividades turísticas da região. Tudo que tinham era reconhecimento público pela coragem e espírito de humanidade.

Também por isso e por motivos outros, a Brigada Militar do Rio Grande do Sul resolveu lançar a ideia de se constituir um dia de homenagens. Assim, em 28 de dezembro de 1970, criou oficialmente o título Salva-vidas para a primeira turma de policiais militares. Seu trabalho seria exclusivamente voltado para atividades de segurança pessoas no mar.

Como se comemora o Dia do Salva-vidas

O dia do salva-vidas se comemora com eventos e competições entre os profissionais.
O dia do salva-vidas se comemora com eventos e competições entre os profissionais.

As cidades do litoral norte dos estados sulistas costumam criar eventos de apresentação e de competição entre os profissionais. Além de funcionar como demonstração do poder desses homens, é também momento para avaliar a funcionalidade dos equipamentos e procedimentos.

Além disso, as unidades do Corpo de Bombeiros espalhadas pelo país também traduzem o Dia do Salva-vidas em atividades internas. Muitos outros municípios incentivam suas unidades escolares a desenvolver ações de reflexão sobre o trabalho desses profissionais.

Como se forma um salva-vidas

“Em qualquer tempo, a qualquer hora, em qualquer mar”.

O próprio lema profissional já pode ser também o do Dia do Salva-vidas. Ele reflete exatamente o que vai na alma do ser humano que busca a carreira de guarda-vidas.

Diz-se que mar calmo atrai pessoas de bem com a vida. Ao contrário, as pessoas com problemas buscam o mar agitado. (Mas, claro, isso não é regra.) É aí que a força do profissional homenageado no Dia do Salva-vidas entra em ação. Ou seja, justamente no mar agitado.

Assim, o profissional precisa se preparar consistentemente para se sair bem em suas atividades. Além da força, é necessário conhecimento náutico, regras de segurança pessoal em primeiros socorros etc.

Veja alguns requisitos básicos e outros formados em cursos específicos:

Requisitos básicos:

  • Ensino fundamental
  • Ordem com as obrigações eleitorais
  • Livre de antecedentes e condenação criminais
  • Ter entre 18 e 35 anos de idade
  • Aprovação em rigoroso processo seletivo

Requisitos formados

Muitos são preferidos até mesmo antes do início do curso:

  • Força muscular
  • Potência pulmonar
  • Exercício da paciência, da determinação
  • Habilidade com esportes
  • Poder de concentração
  • Consistência em trabalho em equipe
  • Disciplina
  • Demonstração de responsabilidade em detalhes diversos

Aulas na formação:

  • Natação (formas de nado e braçadas corretas para situações diversas)
  • Primeiros socorros de emergência
  • Princípios básicos de Oceanografia

Uma vez formados e selecionados, os contratos firmados se regem por regime jurídico estatutário. Via de regra, o salário inicial é um pouco maior que o mínimo e chega a pouco menos que dois salários mínimos com o tempo.

E isso é lamentável.

Pós-formação do profissional do Dia do Salva-vidas

O curso em si precisa ter, no mínimo, 120 horas/aula. De maneira geral, é dividido em três etapas principais: teoria, prática e provas de aprendizagem. As partes teórica e prática foram vistas acima, já a prova detém três fases:

  • Sabatina com mais ou menos vinte questões
  • Demonstração de postura durante simulação de emergência
  • Corrida de 2,4km que precisa ser concluída por homens em 12 minutos e por mulheres em 13 minutos

Além das aulas técnico-práticas mencionadas acima, o candidato curseiro de salva-vidas adquire formação conceitual. Assim, assimilam traços de liderança, reforçam o sentido de julgamento de situação e circunstância e fortalecem o sentido de integridade.

Dessa maneira, se torna um líder nato. Afinal, além de salvar vidas propriamente ditas, o profissional é também responsável por atividades de prevenção de acidentes. Ele também organiza e produz eventos e campanhas educativas.

Via de regra, as solenidades de formatura dos profissionais são especiais. Elas são desenvolvidas no mar, numa espécie de batismo feito em ritual que é celebrado com a Oração do Salva-vidas (veja mais abaixo).

O dia a dia do salva-vidas

A disciplina do salva-vidas se estende no seu dia a dia.
A disciplina do salva-vidas se estende no seu dia a dia.

A questão da disciplina mencionada no capítulo acima não se refere apenas às posturas sociais e técnicas. Ela se estende até detalhes do dia a dia do profissional celebrado no Dia do Salva-vidas.

Assim, ele precisa preparar seu posto de trabalho. Portanto, trabalhando nas praias ou lagoas, vai organizar o chamado Cadeirão e seus utensílios; trabalhando em piscinas, vai adequar sua mesa.

Então, mantém suas ferramentas de trabalho à mão: objetos flutuantes (como pranchas), apitos, protetor solar, repelente contra tubarão. Depois, efetua aquecimento corporal.

Feita essa preparação, o salva-vidas vai avaliar as condições do tempo. Analisa o comportamento do mar, a força das ondas etc. Depois disso, passa a observar os movimentos dos banhistas.

O dia a dia do profissional homenageado no Dia do Salva-vidas é cheio. Ele também alerta banhistas, como prevenção, sobre posturas que ofereçam riscos a si e às pessoas à volta. Além disso, orienta pais e responsáveis quanto à melhor maneira de vigiar e brincar com as crianças.

Oração do Salva-vidas

A oração abaixo foi idealizada e redigida pelo Major QOBM/Comb. João Henrique de Medeiros Pereira Correia do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas.

“Senhor, tu, que ordenaste ao guarda-vidas salvar em praias, rios, lagos e piscinas, dá-me, hoje e sempre, a força para correr e nadar, a coragem para o perigo enfrentar, a determinação para nunca recuar e a fé para o afogado salvar. Mas se, cumprindo esta nobre missão, eu vier a perecer, oh, Deus!, que seja com dignidade e que mereça a sua benção.”

O Dia do Salva-vidas deveria ser federal e requer o mesmo reconhecimento dado por autoridades militares por parte de autoridades políticas. Seria a melhor maneira de homenagear os seres humanos que estão sempre alertas em prol da segurança dos civis.

Você já teve alguma experiência na qual deve sua vida ou seu bem-estar físico a um salva-vidas? Se tiver, comente na área abaixo. Se não tiver, certamente conhece algum amigo que tenha. Assim, indique este artigo a ele.