Menu fechado

Feriados na Bahia

feriados na bahia

A ideia de feriados não é simples questão de alguma autoridade requerer instituir ou não. Ou seja, não se pode sair por aí dizendo que tal data é ou não feriado, quer seja municipal, estadual ou nacional. Aliás, isso ocorre nos países razoavelmente organizados. Assim, os feriados na Bahia seguem o mesmo processo.

Eles são oficializados por regras específicas. E estas são, por sua vez, determinadas por Leis. Ou seja, podem ter causa religiosa ou civil.

A gente resolveu iniciar este artigo com uma explicaçãozinha rápida porque parece haver quase consenso em relação a dois estados do Brasil. São eles:

  • “No Rio, ninguém trabalha; vive na praia”
  • “Na Bahia, é feriado todo dia”

Bem, as coisas não assim, claro. Isso é produto do espírito bem-humorado do brasileiro. A malemolência do baiano é motivo de brincadeira, mas deveria ser motivo de admiração. É povo trabalhador que sabe aproveitar seus momentos de descanso e lazer.

Assim, vamos ver agora alguns desses momentos na Bahia e mais detalhes sobre algumas das maiores cidades do estado. Por exemplo: por que os nascidos em Salvador são chamados “soteropolitanos”?

Feriados na Bahia

Para se ter uma ideia da controvérsia do tal “é sempre feriado na Bahia”, esse estado dispõe de apenas um feriado estadual oficial.

02 de julho: Dia da Independência da Bahia

O país inteiro comemora a Independência do Brasil em 07 de setembro. Certamente, a simplicidade dos fatos narrados em livros oficiais dão a entender que a “coisa toda se deu de forma muito legal, pacífica, com sorrisos e alegria”. Entretanto, ao contrário, tudo foi muito doloroso e traumático.

Em verdade, 07 de setembro de 1822 é apenas marco histórico. Afinal, as batalhas, contendas e conflitos se deram até pelo menos 02 de julho de 1823. Isto é, 09 meses depois de D. Pedro içar sua espada às margens do Ipiranga (aliás, até mesmo esse ato é controverso).

Naquele dia daquele ano, as tropas brasileiras finalmente expulsaram um dos últimos resquícios da presença dos portugueses em solo tupiniquim. O povo celebrou o fato tomando uma carreta do inimigo na chamada “Batalha de Pirajá” e enfeitando-a. Nela, colocou um velho descendente de índio, pois esse povo ajudou muito no conflito, e seguiram em cortejo da Lapinha até o Terreiro de Jesus.

O Caboclo de 02 de julho

As festividades dessa data na Bahia são também chamadas “Desfile do Dois de Julho”. Trata-se de comemoração ao ato cívico da independência do Brasil. Tradicionalmente, é organizado na capital baiana, Salvador, mas é lembrado no estado inteiro.

O desfile se inicia em frente à Paróquia da Lapinha, que é onde está a escultura do “caboclo” que simboliza a entrada das forças oficiais pacificadoras em Salvador. Ou seja, é representação do sucesso na luta pela independência do país. Faz parte do rol de heróis cívicos ao lado de outros de Dois de Julho. Tais heróis são:

  • Os soldados esfarrapados
  • Os batalhões de índios com armas tribais
  • Negros escravos e libertos
  • Sertanejos
  • A população como um todo

A imagem do caboclo foi ganhando estatura de importância nas comemorações ao longo dos anos. Dessa maneira, há muito deixou de ser símbolo cívico e passou a compor o quadro psicossocial da população local. Aliás, as festividades acontecem desde 1824. Então, até hoje a imagem é conduzida em cortejo.

Em verdade, a história dessas comemorações é riquíssima. A gente precisaria de muito mais espaço para demonstrar o mínimo de sua grandiosidade.

Feriados na Bahia nas 5 maiores cidades

O estado da Bahia ocupa pouco mais de 6,5% de todo o território nacional e detém 7,5% da população do Brasil, ou seja, por volta de 15 milhões de habitantes. Possui 417 municípios. Veja logo abaixo alguns detalhes dos 05 maiores.

1⁰. – Salvador

Salvador é a capital do estado e o município com maior contingente populacional – quase 3 milhões de habitantes. Foi chamada inicialmente São Salvador da Bahia de Todos os Santos. Está na zona da mata da Região Nordeste do Brasil.

Quando se fala em Salvador, lembra-se imediatamente da culinária baiana, que é onde esta está mais concentrada. Além disso, o município é também reconhecido por sua arquitetura bela e compositores de renome nacional e internacional.

Foi a primeira sede (capital) do governo colonial português que se instalou em nosso território. Portanto, é uma das mais antigas cidades da América. Ainda no Renascimento, foi idealmente planejada, o que faz dela a primeira região arquitetada para convívio social.

Salvadorenses ou soteropolitanos?

Por que os salvadorenses são também chamados soteropolitanos? Antes, é preciso saber o que significa “helenização”: trata-se do ato de aproximar um conceito do comportamento grego antigo. Então, “helenizar o pensamento”, por exemplo, é nada mais que “pensar como os gregos antigos”, que é a pátria de Helena.

Assim, quando a capital da Bahia foi fundada por Tomé de Souza em 1549, a “elite” da época achou por bem “helenizar” o nome, ou seja, transformar “Salvador” em seu equivalente em grego, “soter”. Como “polis” é “cidade ou local de convivência social”, o nome da cidade seria então “Soterópolis”. Daí, os nascidos seriam “soteropolitanos”.

Fundação: 29 de março de 1549.

Feriados municipais:

  • 29 de março – Aniversário da cidade
  • 24 de junho – Dia de São João
  • 08 de dezembro – Nossa Senhora Conceição da Praia

Eventos

O Carnaval é, certamente, a festa mais buscada tanto por baianos quanto por pessoas do restante do mundo inteiro. O evento é transmitido pela TV já há vários anos para o país todo. As atrações especiais são as festas de rua, nas quais trios elétricos desfilam com multidões dias antes, durante e dias depois do dia de Carnaval propriamente dito.

Além disso, há outros eventos igualmente disputados. A “Procissão do Senhor Bom Jesus dos Navegantes” ocorre sempre no primeiro dia do ano com desfile de barcos de todos os tipos na Baía de Todos os Santos. Como complemento, a Festa da Lapinha faz parte das festividades de Reis de 3 a 6 de janeiro.

Ainda, a Lavagem do Bonfim completa as festas de início de ano, sempre na segunda quinta-feira de janeiro. Mais de 800 mil pessoas em média por ano participam do evento, quando baianas vestidas de branco são acompanhadas pela população em procissão que sai da Igreja da Conceição da Praia em direção à Igreja do Bonfim, no alto da Colina Sagrada.

As festas juninas e julinas são outro atrativo cultural e consequentemente turístico de Salvador, chamadas “Arraiá da Capitá”. Porém, durante o ano inteiro, o povo de Salvador comemora alguma data religiosa.

2⁰. – Feira de Santana

É cidade-sede da chamada Região Metropolitana de Feira de Santana e fica a 108km de distância da Capital, Salvador. Carinhosamente apelidado de “Feira”, o município é o segundo maior do estado e o primeiro maior dos interiores de toda a Região Nordeste. O total de sua população é maior que 08 capitais do país.

Trata-se do principal polo educacional, econômico, financeiro-industrial, cultural, comercial e imobiliário da Bahia toda. Portanto, é o município com maior influência político-social do interior da Região Nordeste. Aliás, foi a primeira cidade da América Latina a consolidar um plano diretor anual para desenvolvimento interno. A cidade sempre figura entre as principais em termos de indicadores diversos.

Fundação: Criado como vila em 13 de novembro de 1832.

Feriados municipais

  • 24 de junho – Dia de São João
  • 26 de julho – Dia de Nossa Senhora Sant’ana
  • 18 de setembro – Emancipação de Feira de Santana

Eventos

O município é pleno de festividades típicas e conhecido pelo nível de organização destas. Assim, como exemplo, a Festa de Nossa Senhora Sant’Ana na segunda quinzena de julho atrai milhares de pessoas para diversos eventos internos.

Já o Mercado de Arte é local tradicional da cultura de Feira. É antiga feira livre de artesanato e outros produtos. Tão importante que foi transferida para o Centro de Abastecimento.

A Micareta é nome do chamado “carnaval fora de época”, abrasileirização do termo francês Mi-carême que significa “meio da quaresma”. É festa organizada na França desde o século XV. Em Feira de Santana, virou festa popular de grande importância social e econômica para o município.

Em 1937, o período normal de Carnaval foi invadido por fortes chuvas na região, o que impossibilitou a população de brincar a festa. Então, um grupo de feirenses resolveu organizar o próprio Carnaval muitas semanas depois. Assim, com o tempo, a festa virou tradição.

Então, o município ainda oferece as festas juninas, que transcorrem durante todo o mês. Há festividades comemorativas para os três principais santos desse período.

3⁰. – Vitória da Conquista

O município é considerado como Capital Social de região que congrega mais ou menos 80 cidades em seu entorno. Afinal, Vitória da Conquista detém o maior PIB dessa região e que mais cresce desde alguns anos atrás.

A cidade foi fundada em 1783 por João Gonçalves da Costa com o nome de Arraial da Conquista. Décadas depois (1840), foi elevada a título de Vila e de Freguesia, passando então a ser chamada de Vila da Vitória. Em 1891, tornou-se cidade por ato de Lei, quando então recebeu o nome apenas de Conquista. Entretanto, outra Lei, então de 1943, bateu o martelo no nome oficial do município: Vitória da Conquista.

Como se vê, talvez seja o município que mais nomes oficiais tiveram, além dos apelidos carinhosos da população.

Fundação: 09 de novembro de 1840.

Feriados municipais

  • 24 de junho – Dia de São João
  • 15 de agosto – Dia de Nossa Senhora das Vitórias
  • 09 de novembro – Aniversário da cidade

Eventos

A cidade não dispõe de muitas festividades próprias. Entretanto, é rica em museus e monumentos que são atração turística.

4⁰. – Camaçari

Conhecido como “Cidade Industrial”, Camaçari está a 41km da Capital. O Polo Industrial de Camaçari lhe empresta o apelido. Este é espaço de grandes empresas químicas e metalúrgicas, como a Ford Motor Company Brasil.

É a segunda cidade mais populosa da Região Metropolitana de Salvador. Tem quase 300 mil habitantes e detém o segundo maior PIB do estado. É também um dos municípios brasileiros vinculados ao Mercosul.

Fundação: 28 de setembro de 1758.

Feriados municipais:

  • 07 de janeiro – Dia de São Tomáz de Cantuária
  • 25 de junho – Dia de São João
  • 28 de setembro – Aniversário da cidade

Eventos

Em junho, a cidade organiza a tradicional “Festa do Boi Janeiro de Parafuso”, com danças e músicas de diversas expressões culturais, incluindo bumba meu boi. Aliás, “Parafuso” é o nome do distrito em que a festa acontece.

5⁰. – Juazeiro

Juazeiro é nome da árvore nativa que dá nome à cidade. Esta está na Mesorregião do Vale São Franciscano da Bahia e na Microrregião de Juazeiro (a gente já teve chance de comentar sobre o conceito de “micro” e “mesorregião” em artigos diversos). Juntamente com o município vizinho Petrolina, já em Pernambuco, consiste no maior contingente humano urbano do Semiárido nordestino.

A economia é também baseada na agricultura de vanguarda. Entretanto, o município congrega força econômica apoiada em médias e grandes indústrias. Aliás, detém em seu território um grande distrito industrial.

Por outro lado, é conhecida como “Terra das Carrancas”, que são esculturas com feições desagradáveis a fim de assustar entidades espirituais negativas diante das embarcações que navegam no rio São Francisco.

Fundação: 15 de julho de 1878.

Feriados municipais:

  • 15 de julho – Aniversário da cidade
  • 08 de setembro – Dia de Nossa Senhora das Grotas

Eventos

Há diversos eventos com participação popular intensa. Em março, a “Via Sacra de Itamotinga” e “Malhada da Areia” no distrito de Pinhões são atrativos para milhares de pessoas. Em maio há a festa da “Padroeira de Carnaíba”. Em julho, as festividades em comemoração ao aniversário da cidade.

Então é isso. Bahia é estado com histórico de participação essencial na vida da país. A força do nordestino pode ser mensurada a partir da força baiana. Se você tiver sugestões sobre detalhes de mais cidades do estado, deixe nos comentários.